Menu
Busca terça, 02 de março de 2021
Faculdade columbia - Matrículas abertas 2021
ECONOMIA

Dólar volta a subir e fecha cotado a R$ 5,36

21 janeiro 2021 - 18h00Por G1

O dólar voltou a subir nesta quinta-feira (21), fechando em alta de 0,95%, cotado a R$ 5,3631.

Nesta sessão, os investidores analisaram dados do mercado de trabalho nos EUA e a sinalização de política monetária do Banco Central do Brasil, após o Comitê de Política Monetária (Copom) ter mantido a taxa básica de juros em 2% ao ano, como o esperado.

No mês e no ano, passou a acumular avanço de 3,39%. Veja mais cotações.

O Ibovespa opera em queda.

Cenário global e local

No exterior, republicanos do Congresso dos EUA indicaram que estão dispostos a trabalhar com o novo presidente Joe Biden na prioridade de seu governo, um plano de estímulo fiscal de US$ 1,9 trilhão, mas alguns se opõe ao valor.

Dados ainda fracos do mercado de trabalho nos EUA contribuíam também para maior expectativa de mais alívio à pandemia e distribuição rápida de vacinas sob o governo Biden para sustentar a economia.

Os pedidos iniciais de seguro desemprego caíram abaixo do esperado nos Estados Unidos. Foram 900 mil pedidos feitos na semana encerrada em 16 de janeiro, 36 mil a menos que o nível revisado de 926 mil registrados na semana anterior.

Já o Banco Central Europeu (BCE) manteve as suas políticas de juros e o programa de compra de ativos inalterados, como o esperado, na reunião desta quinta-feira.

Os preços do petróleo recuavam nesta quinta, após dados da indústria terem mostrado um inesperado aumento nos estoques de petróleo nos Estados Unidos.

No Brasil, o Banco Central manteve a taxa básica de juros inalterada em 2% ano ano, a mínima histórica, e anunciou o fim do chamado "forward guidance", a orientação futura que indica a manutenção dos juros respeitando certas condições, o que na leitura do mercado aponta que o BC deixou a "porta aberta" para uma alta na taxa de juros nos próximos meses.

Banco Central se mostra mais preocupado com a inflação, dizem analistas
Na cena doméstica, as atenções seguem voltadas ainda para os percalços para o avanço da vacinação contra o coronavírus no Brasil.

A percepção de que a imunização contra a Covid-19 no Brasil será lenta e sujeita a reveses tem elevado receios quanto à força da recuperação da economia e alimentado temor de criação de novas despesas para fazer frente à pandemia.

O mercado tem monitorado com atenção também a campanha por eleição na Câmara e no Senado para calcular riscos de nova pressão por mais gastos, que também podem vir de dentro do próprio governo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Anvisa alerta para uso do nome da agência em golpes de estelionato
COTAÇÃO
Dólar fecha em queda de 0,07% nesta segunda-feira
CAMPO GRANDE
Jovem é preso pela Polícia Civil com drogas sintéticas
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SAD publica cronograma do ciclo de Avaliação de Desempenho Individual 2021