Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020

Energia furtada poderia abastecer Dourados por um ano, diz Enersul

03 dezembro 2011 - 20h48Por Conesul News
O prejuízo anual da Enersul, com furto de energia chegar a R$ 112 milhões, o que equivale ao abastecimento de uma cidade do tamanho de Dourados por um no inteiro. De acordo com a concessionária, sem os furtos, a tarifa cobrada dos consumidores poderia ser, em média, 5% mais barata.

O furto de energia elétrica tem se tornado uma prática comum em Mato Grosso do Sul. Só nesta semana, a Polícia Civil registrou quatro boletins de ocorrências contra bares e restaurantes de áreas nobres de Campo Grande e Dourados, por constatar que os padrões haviam sido alterados para mascarar a mediação.

Três estabelecimentos são de Campo Grande. No Café Mostarda, nos altos da avenida Afonso Pena, os peritos, acompanhados pela equipe de fiscalização técnica da Enersul, identificaram, segundo a assessoria de imprensa, uma adulteração que impedia, no período de maior consumo, o relógio de marcar a energia utilizada.

Já a Cantina Mato Grosso, no Carandá Bosque, próximo ao Parque dos Poderes, é acusada de fazer uma fraude que só deixava o relógio medir pouco mais de 60% de todo o consumo que o estabelecimento necessita para funcionar.

No restaurante Sabor & Prosa, na avenida Ricardo Brandão, foi encontrada uma ligação clandestina para desviar do medidor toda a energia consumida, segundo a Enersul.

Em Dourados, na avenida Weimar Torres, em uma área nobre, o restaurante Bruno's Grill também foi acusado de uma fraude no padrão de energia. Segundo a Enersul, o restaurante conseguia mascarar o registro de um terço do consumo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BELA VISTA
Polícia Militar prende mulher por Tráfico de Drogas, apreende 18 kg de maconha e produtos de Contrabando, durante abordagem veicular
BRASIL
Prova de vida de servidores aposentados é suspensa até 31 de outubro
ECONOMIA
Contas públicas podem ter déficit de R$ 871 bilhões este ano
CRIME AMBIENTAL
Mulher de 51 anos é autuada em R$ 5,5 mil por criar papagaio ilegalmente e manter a ave em situação de maus-tratos