Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020

‘Era um sonho que eu tinha desde novinha’, diz Miss Brasil Gay 2011

23 agosto 2011 - 14h00Por Fonte: Matéria
Raika Bittencourt tem 35 anos e nasceu Aelton de Almeida.
Ela foi eleita neste sábado, no concurso em Juiz de Fora.

Ela nasceu Aelton de Almeida, é enfermeira, tem 35 anos e acabou de vencer o Miss Brasil Gay 2011, em Juiz de Fora, na Zona da Mata Mineira. Ao incorporar Raika Bittencourt, além de ganhar o principal título da noite, no sábado (20), também arrebatou as premiações de melhor traje típico e de gala. A miss é mineira e mora na cidade de Madre de Deus de Minas, na Região Central do estado, mas, no concurso, representou o estado do Piauí. “Era um sonho que eu tinha desde que eu era pequena, novinha. Parece que a ficha ainda não caiu. É uma realização pessoal”, disse.

Com 1,64 m, 60 quilos, 88 centímetros de quadril, olhos e cabelos castanhos, Raika derrotou outras 25 concorrentes. “Mas eu me preparei para isso. Fiz bioplastia – coloquei implante de silicone nas maçãs do rosto e melhorei o contorno da mandíbula, queixo”, explicou a única cirurgia que fez no corpo. E ela faz questão de enfatizar que usa manequim 40 feminino.

Raika disse que investiu R$ 8 mil na cirurgia, outros R$ 8 mil em um vestido quando disputou o Miss Piauí em fevereiro, no Rio de Janeiro. Mas o investimento maior veio depois. Ela gastou R$ 60 mil com roupas, sapatos e joias para defender a faixa do estado do Piauí. “Eu entrei para ganhar”, disse, segura.

O dinheiro, ela disse que juntou com muito trabalho e esforço. “Trabalhava de dia e fazia plantão à noite. Não comprava nada para o Aelton. Estava focada no Miss Gay”, contou.

Raika é formada em enfermagem e estuda medicina em uma faculdade em Itaperuna (RJ), mas, para se dedicar ao concurso, Raika trancou a matrícula. No semestre que vem, pretende retomar os estudos e vai transferir o curso para Barbacena (MG), e ficar mais próximo da cidade onde ela mora.

A decisão de voltar à faculdade somente no ano que vem não foi por acaso. Raika sabe que, com o título de Miss Brasil Gay 2011, carrega uma série de compromissos e responsabilidades. “Vou viajar muito e tenho que fazer trabalhos sociais. Hoje mesmo vou a São Paulo para gravar um programa de televisão” falou.

Feliz da vida, Raika disse que contou com a ajuda incondicional da família, como irmãos e sobrinhos. “Se os meus pais fossem vivos com certeza eu teria o apoio deles também”.

Como prêmio, Raika ganhou uma viagem à França, com tudo pago, durante dez dias, com direito a um acompanhante. “Acho que vou levar um amigo, mas ainda não sei qual”, disse, em dúvida. Além disso, ela ganhou joias e bolsas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

HEMOSUL
Aumentar doações de sangue na pandemia é principal desafio no Dia Nacional do Doador
SAÚDE
Coronavírus continua em expansão no Estado, com mais de 900 casos confirmados em apenas 24 horas
ECONOMIA
Comitê define fator para ajuste de preços de medicamentos em 2021
EM JANEIRO
Alunos são convocados para retomar aulas presenciais do Curso de Formação Policial para Escrivães