Menu
Busca quarta, 20 de janeiro de 2021

Eritreia, Coreia do Norte, Irã e Síria lideram a lista dos países que mais censuram a imprensa no mundo

Eritreia, Coreia do Norte, Irã e Síria lideram a lista dos países que mais censuram a imprensa no mundo

02 maio 2012 - 12h51
Agência Brasil


Os países que mais limitam o trabalho da imprensa no mundo são Eritreia (na África), Coreia do Norte (na Ásia), Irã e Síria (Oriente Médio). A pesquisa sobre liberdade de imprensa foi feita pela organização não governamental (ONG) Comitê de Proteção aos Jornalistas (CPJ) e divulgada hoje (2), em Nova York, nos Estados Unidos. A relação dos dez países que menos respeitam o jornalismo incluem apenas um latino-americano: Cuba.

Na relação estão ainda Guiné Equatorial (África), Uzbekistão (Ásia), Myanmar (Ásia), Arábia Saudita (Oriente Médio), Cuba (América Central) e Bielorússia (Leste da Europa). No estudo, a organização define esses países como locais de forte censura ao trabalho da imprensa.

O CPJ observou 15 indicadores para analisar cada país. A organização analisou o bloqueio de sites, restrições, limites para o registro e a divulgação de informações, ausência de meios de comunicação de propriedade privada ou independente, restrições aos movimentos de jornalistas no país e monitoramento de suas atividades, entre outros aspectos.

De acordo com a organização, para a elaboração da lista foram considerados apenas os países nos quais as restrições são impostas diretamente pelo Estado. Na Somália e em algumas regiões do México, por exemplo, os jornalistas se auto-censuram devido às ameaças constantes de morte.

O CPJ destaca que na Eritreia, os jornalistas não têm acesso ao país e todos os meios de comunicação nacionais são controlados pelo governo.

A Coreia do Norte, apontada como o país mais fechado do mundo, vive sob o controle da agência de notícias oficial do país. Mas ao longo deste ano foram identificadas duas mudanças significativas no país: a agência Associated Press (AP) abriu um escritório na capital, Pyongyang, e um editor japonês trabalha como voluntário na região.

O Irã aparece em terceiro lugar no ranking por fixar uma série de restrições à entrada de jornalistas estrangeiros no país e monitorar as atividades dos que vivem na região. A Síria, em clima de conflito há quase 14 meses, ficou em quarto na relação. As autoridades sírias proíbem jornalistas e organizações não governamentais estrangeiras de entrarem no país.

Na Guiné Equatorial, a imprensa é controlada direta e indiretamente pelo governo. No Uzbequistão, segundo a organização, não há imprensa independente e os jornalistas que contribuem para a imprensa estrangeira sofrem ameaças constantes. Em Myanmar, a censura também é observada na imprensa, assim como na Arábia Saudita.

Em Cuba, o Partido Comunista, do governo do presidente cubano, Raúl Castro, controla os meios de comunicação nacionais e monitora a ação dos jornalistas estrangeiros no país. Na Bielorússia, a organização alerta que não há imprensa independente. Apesar de não estarem entre os dez piores países para o exercício da profissão de jornalista, o CPJ alerta para a existência de censura no Azerbaijão, na Etiópia, na China, no Sudão, no Turcomenistão e no Vietnã.


Relação dos países apontados como os que mais desrespeitam a liberdade de imprensa:

1.Eritrea (África)


2. Coreia do Norte (Ásia)


3.Síria (Oriente Médio)


4.Irã


5. Guiné Equatorial (África)


6.Uzbekistão (Ásia)


7.Myanmar (Ásia)


8.Arábia Saudita


9.Cuba (América Central)


10.Bielorússia (Leste da Europa)

Deixe seu Comentário

Leia Também

EMPREGO
Funtrab está com vagas com salários de R$ 3 mil nas áreas de farmácia e logística
TEMPO
Temperaturas sobem um pouco, mas instabilidades se mantém nesta quarta-feira
SAÚDE
Saúde alerta sobre ligações e SMS falsos de cadastro para vacinação
IMUNIZAÇÃO
Primeiros imunizados contra Covid-19 relatam emoção e encorajam população