Menu
Busca quarta, 02 de dezembro de 2020

Ex-chefe da Receita tem bens bloqueados

19 janeiro 2012 - 20h55Por Correio do Estado
A Justiça Federal decretou, em caráter liminar, o bloqueio dos bens do ex-inspetor-chefe da Receita Federal em Corumbá, Paulo Eduardo Borges, e do engenheiro José Ubiratan Fonseca de Brito, que são acusados de fraudes no valor de R$ 2 milhões.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul, eles são acusados de fraudar a contratação de serviços para a realização de reformas no prédio sede da Receita e no Posto Fiscal Esdras e a construção do depósito de mercadorias e veículos apreendidos, na fronteira do Brasil com a Bolívia.

Os réus não podem vender ou transferir imóveis e veículos que estejam em nome deles, nem movimentar contas bancárias e aplicações financeiras. O objetivo do MPF com o bloqueio dos bens é garantir que haja patrimônio suficiente para reparar os danos causados aos cofres públicos pela dupla.

O MPF pede que, ao final do processo, a Justiça determine a perda dos bens adquiridos ilegalmente, a devolução de R$ 35 mil, pagamento de R$ 100 mil por danos morais coletivos e de multa, a ser fixada ao final do processo. Os réus podem ainda perder os direitos políticos e serem proibidos de contratar com o Poder Público. O ex-inspetor pode ainda perder o cargo público.

Fraude

A fraude ocorreu no procedimento de contratação do projeto básico das obras. Para que houvesse a dispensa de licitação, o valor do projeto não poderia passar de R$ 15 mil, conforme estabelecido pela Lei nº 8.666/93. José Ubiratan, em comum acordo com Paulo, confeccionou três propostas, apresentando-as como se fossem de empresas diferentes.

Laudo policial confirmou que os projetos foram impressos no escritório do engenheiro. Ele recebeu R$ 14,3 mil oficialmente, R$ 35 mil “por fora” e ainda foi escolhido como fiscal das obras.

O MPF requisitou instauração de inquérito policial para apurar a suspeita de superfaturamento de cerca de dois milhões de reais no contrato de execução das obras.

O projeto básico elaborado pelo engenheiro estimava o custo total da obra em mais de R$ 11 milhões. Em depoimento, José Ubiratan afirmou ter adulterado o quantitativo de materiais e de área construída das obras para atingir o valor solicitado pelo ex-inspetor, que seria de R$ 14 milhões. As obras já foram realizadas.


Deixe seu Comentário

Leia Também

LAGUNA CARAPÃ
Caminhão que seguia para Campo grande com mais de seis toneladas de maconha foi apreendido pelo DOF
PROPINA DIFERENTE
Traficante Minotauro usou canetas de US$ 900 para pagar propina a agentes paraguaios, afirma MPF
ECONOMIA
Seis milhões de pessoas pediram empréstimo na pandemia, diz IBGE
CORONAVÍRUS
Falta de leitos de UTI coloca em risco população de Dourados, diz secretário