Menu
Busca sexta, 03 de julho de 2020

Fazendeira de MS é libertada após pagar fiança de R$ 27 mil

31 julho 2011 - 08h06Por Fonte: G1
A fazendeira Beatriz Rondon, investigada pela Polícia Federal por suspeita de participar e organizar safáris ilegais no Pantanal de Mato Grosso do Sul, e que havia sido presa na manhã de sexta-feira (29) por posse de arma, foi libertada no início da tarde após pagar fiança de R$ 27 mil.

Na saída da Superintendência da Polícia Federal em Campo Grande, Beatriz Rondon não quis falar sobre a prisão.

Segundo a PF, ela foi presa durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão em uma fazenda em Aquidauana, cidade a 130 quilômetros de Campo Grande. O advogado de defesa da fazendeira, Renê Siufi, disse que as armas apreendidas pertencem ao tio de Beatriz e que estavam guardadas a pedido dele.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Alexandre do Nascimento, dois revólveres e uma espingarda foram encontrados no quarto de Beatriz, o que motivou o flagrante. A PF e o Ibama cumpriram ao todo seis mandados de busca e apreensão em três cidades de Mato Grosso do Sul e em uma de Mato Grosso, como desdobramento da Operação Jaguar 2, deflagrada em maio deste ano. À época, as investigações apontaram a existência de um vídeo registrando safáris ilegais no pantanal, com matança de onças pintada e parda.

O delegado afirmou que, no dia 10 de julho, pediu a prisão preventiva de Beatriz Rondon, do caçador Antônio Teodoro, conhecido como Tonho da Onça, de um piloto de avião e de estrangeiros que participavam do safári. Entretanto, os pedidos foram negados pela Justiça. Apenas os mandados de busca e apreensão foram autorizados, segundo Nascimento.

Siufi diz que a cliente nega as acusações de participação e promoção dos safáris em que havia matança de onças. Afirma ainda que as peles de animais - apreendidas na operação passada - são antigas.
No trecho do vídeo onde aparece a matança de uma onça-pintada, o advogado confirma que as imagens foram produzidas na propriedade de Beatriz. "Quando o vídeo foi gravado, ela ainda não participava da ONG de proteção às onças, e na ocasião ela havia sido apenas convidada para uma caçada. Mas ela não organizou e nem praticou a caça e matança de onças em sua propriedade", afirmou o advogado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTÍCIAS
1ª Câmara Criminal nega recurso de condenado por usar CNH falsa
MS
Com taxas de isolamento estagnadas, MS já contabiliza mais de 100 vidas perdidas para a Covid
BRASIL
José Serra é denunciado por lavagem de dinheiro
NOTÍCIAS
Juizado de Trânsito realiza mais de 600 atendimentos durante a pandemia