Menu
Busca terça, 24 de novembro de 2020

Frentistas de MS querem melhoria da segurança nos postos

Frentistas de MS querem melhoria da segurança nos postos

03 janeiro 2012 - 15h19Por Assessoria
Os empregados em postos de combustíveis de Mato Grosso do Sul, que avançaram em 2011 na luta para fazer com que a classe patronal melhorasse as condições de segurança de trabalho, querem avançar ainda mais nesse campo em 2012. A meta foi estabelecida por Gilson da Silva Sá, presidente do Sinpospetro/MS (Sindicato dos Emperegados em Postos de Serviço de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de MS).

Ao longo de 2011, segundo Gilson Sá, o sindicato solicitou o apoio do Ministério do Trabalho e Emprego em Mato Grosso do Sul – MTE, para marcar mesas redondas com donos de postos para fazê-los cumprir acordos coletivos e a legislação vigente sobre vários aspectos no ambiente de trabalho. A proteção dos empregados é para evitar contaminação por produtos químicos exalados dos combustíveis (gasolina, álcool, diesel e gás).

Muitos empresários, segundo o sindicato, ainda relutam em adotar medidas simples que impedem a contaminação de empregados pelo manuseio ou mesmo no ambiente próximo à área de abastecimento.

Donos de postos de combustíveis não cumprem, por exemplo, com o Seguro de vida em grupo (cláusula 22ª da Convenção Coletiva de Trabalho); – Não fornecimento de uniformes aos empregados; – Não tomam providências para que o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) analise, detalhada e corretamente os riscos aos quais estão, de fato, expostos os trabalhadores, tais como: ergonômicos – trabalho em benzeno e outros hidrocarbonetos aromáticos), evitando-se orientações gerais ou medidas de controle inespecíficas.

Donos de postos precisam também, segundo Gilson da Silva Sá, providenciar para que as informações sobre os riscos ocupacionais existentes nas atividades exercidas pelos trabalhadores da empresa estejam correlacionadas entre si dentro do PPRA e do PCMSO. Além disso, esses riscos devem estar detalhadamente assinalados nos Atestados de Saúde Ocupacionais (ASO).

“Os empresários precisam providenciar também – informa Gilson Sá – ordens de serviços de segurança e saúde do trabalhador que contenham informações detalhadas e específicas sobre como os empregados devem proceder para se evitar acidentes de trabalho e doenças profissionais, com especial atenção para Medidas Preventivas de exposição ao Benzeno, nas operações de Descarregamento de Combustíveis, bem como na medição de volume de tanques”.

Além desses itens o presidente do Sinpospetro afirma que existem outros itens que não estão sendo cumpridos pelas empresas. Ao pedir a mesa redonda com cada empresário, a entidade sindical pede também para que o ministério solicite, dos postos, comprovantes de entrega de uniformes e EPIs, apólice de seguro e outros documentos necessários para garantia da segurança e saúde dos trabalhadores em postos de combustíveis. “Esperamos que dessa forma, individual, cada empresa seja cobrada para cumprir a legislação e os acordos firmados com os trabalhadores”, afirmou Gilson Sá.

Este ano o Sinpospetro vai continuar “batendo nessas mesmas teclas”, procurando avançar cada vez mais no sentido de que todos os postos de combustíveis de Mato Grosso do Sul adotem as medidas preventivas necessárias para preservar a saúde e o bem estar dos trabalhadores. “Estamos otimistas, não temos dúvida de que vamos avançar muito este ano no quisito segurança”, avalia o presidente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIDROLÂNDIA
Operação conjunta resulta na prisão de líder de facção criminosa
ECONOMIA
Brasileiros acreditam em inflação de 4,8% nos próximos 12 meses
CORONAVÍRUS
Diagnosticado com covid-19, o vice-prefeito de Ponta Porã, Caio Augusto (PSD), está internado na UTI
POLÍTICA
Lei sobre Internet das Coisas pode gerar milhões de empregos
Avaliação é do Ministério das Comunicações