Menu
Busca sexta, 27 de novembro de 2020

Fronteira terá investimentos de R$ 4,5 milhões em segurança, diz Jacini

Fronteira terá investimentos de R$ 4,5 milhões em segurança, diz Jacini

12 dezembro 2011 - 10h55Por Diário Online
O secretário de Justiça e Segurança Púbica do Estado, Wantuir Jacini, anunciou no sábado (10), em Corumbá, investimentos de R$ 4,5 milhões para as fronteiras de Mato Grosso do Sul. Ele veio a cidade acompanhar a operação "Fronteira Unida", desenvolvida desde sexta-feira, 09, pelo GGI-Fron (Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira). A ação já apreendeu drogas, dinheiro, eletrodomésticos que foram trocados em pontos de venda de entorpecentes, carros e prendeu traficantes, entre eles o que a Polícia Civil afirma ser o maior distribuidor de drogas para os pontos de venda de Corumbá e Ladário: Tarcísio Arteaga.


"É uma ação desenvolvida com foco na região urbana, para combater o tráfico na cidade de fronteira", esclareceu Jacini. Ele também afirmou que já estão empenhados, recursos da ordem de R$ 4,5 milhões que serão empregados em três vertentes: inteligência policial, perícia e gabinete de gestão integrada. Mas, segundo Jacini, a injeção de verbas para melhorar o desempenho das polícias estaduais não vai parar por aí e terão duração de três anos, já que as ações estão previstas para este período, que coincide justamente com a realização da Copa do Mundo no Brasil.

"Eu tenho certeza que, trabalhando como nós estamos trabalhando, quando chegarmos a 2014, teremos reduzido e muito a criminalidade", afirmou Jacini, referindo-se à cooperação entre as polícias estaduais e federais; os Exércitos, brasileiro e boliviano; a Armada boliviana e a polícia boliviana. Jacini trata esse acordo como uma determinação da presidente Dilma Rousseff, em seu Plano de Fronteiras.

O secretário classificou que "não será o aumento de efetivo de nossas polícias estaduais que vai fazer reduzir a criminalidade". Para ele, o importante é investir em tecnologia e capacitação profissional, justificando que por isso a primeira liberação de verba, de R$ 4,5 milhões será aplicada em inteligência, melhorando assim a preparação dos investigadores, no fortalecimento do GGI-Fron e na perícia, que precisa de equipamentos para solucionar crimes e solidificar provas.

Jacini foi até o lixão municipal onde foi montada uma barreira policial; ao Posto Esdras na fronteira com a Bolívia e ao Posto do Lampião Aceso, na BR-262. Ele esteve acompanhado de comandantes das corporações policiais militares de Corumbá e da Bolívia; pelo comandante do GGI-Fron, tenente-coronel Valter Godoy e por delegados da Polícia Civil.

A operação

A operação "Fronteira Unida" realiza a fiscalização, repressão a ilícitos e checagem de veículos e pessoas na região e, busca por foragidos e procurados. Ainda participam da ação, efetivos do Exército; Marinha; PMA (Polícia Militar Ambiental); DOF (Departamento de Operações de Fronteira); Polícia Civil e Ministério Público Estadual (MPE).

As equipes das Forças Armadas e Forças Auxiliares montaram barreiras no mais variados pontos de acesso rodoviário e fluvial. O patrulhamento ostensivo acontece no Posto de Esdras, que fica na fronteira de Corumbá com a Bolívia; na rodovia BR-262; no Canal do Tamengo; na região do Pantanal do Amolar; no Porto Morrinho; nas estradas clandestinas que dão acesso a Bolívia - popularmente conhecidas como cabriteiras - e na Estrada Branca, que leva ao lixão e assentamentos rurais.

Na área urbana, a Polícia Militar realiza barreiras e blitz, onde promove a fiscalização de veículos e pessoas. Ação que possibilita a busca por foragidos e procurados. A mega-operação "Fronteira Unida" deve se estender por todo o final de semana.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Dono de gleba tem direito a reinstalação de porteira para acesso à propriedade
FATALIDADE
Mulher morre queimada após casa pegar fogo em MS
De acordo com a polícia, vítima estava sozinha dentro de casa, em Coronel Sapucaia. Corpo ficou completamente carbonizado e foi levado para o IML de Ponta Porã
ECONOMIA
Empresas e pessoas físicas pagam juros mais altos em outubro, diz BC
SAÚDE
Fiocruz: aumento de casos e óbitos de covid-19 deve servir de alerta