Menu
Busca quarta, 23 de setembro de 2020

Governador sanciona Lei Complementar sobre o TCE/MS

Governador sanciona Lei Complementar sobre o TCE/MS

09 janeiro 2012 - 09h26
Divulgação (TP)

O governador do Estado, André Puccinelli, sancionou a Lei Complementar nº 160, decretada pela Assembléia Legislativa, que dispõe sobre o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (TCE/MS), e dá outras providências.

A Lei foi publicada na edição nº 8.102 do Diário Oficial de Mato Grosso do Sul desta terça-feira (03/01/12) e modifica a Lei Complementar nº 48 /90.
De acordo com o presidente do TCE/MS, Cícero de Souza, essa nova lei dará mais agilidade e poder de ação ao Tribunal de Contas que poderá desempenhar suas atribuições constitucionais com o respaldo do ordenamento vigente, proporcionando um processo menos burocrático e mais seguro aos jurisdicionados.

A modificação da lei orgânica implicará na necessária reformulação do Regimento Interno do Tribunal, finalizando mais uma etapa do plano de modernização, fortalecendo o processo de conhecimento do TCE/MS como órgão indispensável na fiscalização e controle da gestão das verbas públicas
Cícero de Souza, explica que as modificações ocorridas ao longo dos 21 anos de existência da Lei Complementar nº 48/90, tornaram imperativa uma lei totalmente nova e de acordo com a nossa realidade atual. Segundo ele, “o TCE/MS nesses últimos anos passou por profundas modificações, com o objetivo de dar maior eficiência a sua missão constitucional, com ações envolvendo um intenso processo de modernização”.

O conselheiro Cícero de Souza cita como exemplo das modificações a adoção de um modelo de gestão estratégica; a implantação do Plano de Cargos, Carreira e Salários (PCCR); o novo modelo de estrutura organizacional mais enxuto e moderno; a infraestrutura de sistemas e tecnologia da informação e a adoção de um sistema normativo administrativo mais atual e eficiente, baseado na administração de gestão.
Ele destaca que “outra etapa importantíssima implantada é o sistema e-TCE, que permitirá mais agilidade nas análises dos atos praticados pelos gestores, bem como economia significativa dos recursos públicos, eliminando totalmente a utilização de papel, promovendo a fiscalização dos 900 órgãos jurisdicionados com tramitação 100% eletrônica dos processos.

Flávio Teixeira - JP/MS nº 15

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
STF mantém obrigação de locadoras terem cota de veículos adaptados
Norma era questionada pela Confederação Nacional dos Transportes
NOTÍCIAS
Criança sob guarda deve receber mesmo tratamento que filho em plano de saúde
MEIO AMBIENTE
Números de multas e de focos de queimadas no MS já superam 2019
POLÍTICA
Brasil é vítima de desinformação sobre meio ambiente, diz Bolsonaro