Menu
Busca terça, 01 de dezembro de 2020

Governo chinês não confirma participação em fundo europeu

30 outubro 2011 - 09h50Por Estadão
A China não deverá tomar nenhuma decisão sobre sua eventual contribuição para a ampliação do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (Feef) antes do fim de novembro ou começo de dezembro, afirmou ontem o vice-ministro das Finanças do país, Zhu Guangyao. 'Nós temos que esperar os detalhes técnicos e realizar sérios estudos antes de decidir sobre o investimento', afirmou.

Os primeiros detalhes do pacote aprovado pelos líderes europeus foram apresentados ontem às autoridades chinesas por Klaus Regling, o diretor do Feef, que terá a missão de convencer investidores globais a comprarem bônus que serão emitidos pela entidade nos próximos meses.

Regling ressaltou que ainda não há nenhuma negociação concreta com Pequim e que sua intenção foi discutir com o potencial investidor o desenho que os novos títulos devem ter para serem bem recebidos pelo mercado. 'Nós vamos conversar com grandes investidores nas próximas duas semanas para saber como estruturar esses instrumentos e ter certeza de que eles serão bem sucedidos. Seria inútil colocar esses papéis no mercado e nenhum investidor se interessar', disse o europeu em entrevista coletiva.

Criado em maio do ano passado com a missão de socorrer países europeus em dificuldade e recapitalizar bancos da região, o fundo terá sua capacidade de intervenção elevada dos atuais 440 bilhões para 1 trilhão.

É para essa ampliação que Regling busca apoio de investidores ao redor do mundo. Mas sua primeira parada foi a China, que com US$ 3,2 trilhões possui o maior volume de reservas internacionais do mundo. Só em 2010, o montante foi de US$ 350 bilhões. O segundo lugar no ranking é ocupado pelo Japão, com US$ 1,2 trilhão, para onde Regling irá depois de Pequim.

Segundo ele, a China e outros países asiáticos compraram 40% dos bônus emitidos pelo (Feef) neste ano. 'A China é um bom e leal cliente dos bônus emitidos pelo Feef', afirmou Regling.

O europeu ressaltou que a China tem uma necessidade 'particular' de investir seu superávit em conta corrente. 'As reservas internacionais da China aumentam a cada mês e eles estão interessados em identificar oportunidades de investimentos atraentes, sólidas e seguras.' Até agora, os chineses investiram em bônus do Feef e Regling espera que continuem a fazê-lo no futuro.

Mas as garantias de que terão retorno dos investimentos é a principal preocupação de Pequim. Em declarações publicadas ontem pelo Financial Times, o integrante do comitê de política monetária do Banco do Povo da China Li Daokui observou que qualquer participação chinesa no resgate europeu estaria condicionada com a contribuição de outros países e garantias de segurança das aplicações.

O representante europeu disse que não foi confrontado por qualquer demanda do lado chinês nas conversas que teve ontem no Ministério das Finanças e no Banco do Povo da China e ressaltou que os bônus emitidos pelo Feef tem a mais elevada nota concedida pelas agências de classificação de risco (AAA).

Entre os novos instrumentos que o fundo analisa está o oferecimento de garantia entre 15% e 20% para bônus emitidos por países da União Europeia. Caso eles deem calote nos investidores, o Feef garantiria o pagamento daquele porcentual.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ARAL MOREIRA
Homem é encontrado carbonizado e com marcas de tiros no corpo
Motocicleta com placas do Paraguai também foi queimada
IGUATEMI
Homem morre vítima de tiro acidental na cabeça durante pescaria
Jair Ruzzene, de 56 anos, se apoiou em cano de espingarda quando arma disparou e o atingiu
MARACAJU
Veículo com quase meia tonelada de maconha foi apreendido pelo DOF
ECONOMIA
Caixa retorna valores não movimentados do saque emergencial do FGTS