Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020

Hospital abre sindicância para apurar morte de rapaz picado por cascavel

Hospital abre sindicância para apurar morte de rapaz picado por cascavel

08 novembro 2011 - 15h40
Campograndenews

O Hospital Regional Rosa Pedrossian, em Campo Grande, abriu sindicância para apurar se houve falha no atendimento a Márcio Paulo de Sousa, de 27 anos, que morreu após ser picado por uma cobra cascavel. Ele foi picado no sábado, deu entrada no hospital à noite, após ficar por 6h na UPA (Unidade de Pronto Atendimento), como informou a família.

A demora na aplicação do soro antiofídico é decisiva nestes casos em que ocorrem mortes, como afirmou ontem o médico Sandro Benites, coordenador do Civitox (Centro de Vigilância Toxicológica).

Na nota em que informa a abertura de sindicância, o HR afirma que não há evidências de omissão de socorro ao paciente, mas que decidiu pela abertura da sindicância para para “averiguar as eventuais falhas técnicas e/ou administrativas no atendimento.”

O hospital afirma que, após Márcio Paulo dar entrada no PAM (Pronto Atendimento Médico), após o acolhimento e classificação de risco, “foram foram constatadas outras co-morbidades pela equipe do PAM, foram realizados exames complementares e solicitada orientação do Civitox sobre o caso”. Depois, o paciente foi medicado, conforme o Hospital, inclusive com soro antiofídico, mas não respondeu “satisfatoriamente ao tratamento”.

O HR não explicita quais são as co-morbidades, mas a família informou que, após a morte, os médicos chegaram a dizer que Márcio havia sofrido uma overdose por drogas, dada a dificuldade de encontrar a picada da cobra.

O médico do Civitox explicou ontem, durante uma reunião em que profissionais da Saúde discutiram o atendimento a vítimas de animais peçonhentos, que a picada da cascavel normalmente é difícil de ser encontrada, e que a pessoa tem sintomas de embriaguez, dado o efeito do veneno no sistema nervoso central.

A morte de Márcio Paulo foi a segunda decorrente de picada de animal peçonhento em menos de 15 dias. No dia 27, a menina Maria Eduarda, de 2 anos, morreu após ser picada por um escorpião amarelo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIA CIVIL
Veículo tomado em golpe do falso frete em Dourados é recuperado
DOURADOS
Após reclamações de calorão, prefeitura fará 'reparos' na Central do Cidadão
SAÚDE
Governo brasileiro confirma intenção de aderir à Covax
Alerta
Morador de MS recebe pacote de sementes da China por correio e governo emite alerta para riscos