Menu
Busca domingo, 28 de fevereiro de 2021

Iagro inicia vacinação contra aftosa em regiões de risco no Estado

Iagro inicia vacinação contra aftosa em regiões de risco no Estado

18 outubro 2011 - 14h00
Campograndenews

Técnicos da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) já iniciaram a vacinação contra a aftosa em regiões consideradas de risco em Mato Grosso do Sul, por meio da Agulha Oficial, mecanismo utilizado para aumentar os índices de vacinação contra a febre aftosa.

Segundo informações da diretora-presidente da Iagro, Maria Cristina Galvão Rosa Carrijo, o procedimento foi adotado em assentamentos e aldeias indígenas.

“O produtor destas áreas, que considerarem ser necessária a antecipação, deve solicitar requerimento no escritório local do Iagro do município”, afirmou a diretora, ressaltando que serão levadas em conta as áreas de risco e que o órgão ainda vai analisar o pedido.

A campanha oficial de vacinação começa no Estado dia 1º de novembro. Carrijo destaca que alguns produtores pediram a antecipação.

O procedimento adotado pelo Governo do Estado se baseia em instrução normativa do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), no início do mês, que descartou a necessidade de antecipação da aftosa, no entanto, liberou os Estados para iniciar o procedimento em áreas consideradas de risco.

“Não sendo (área de risco), a data de vacinação continua a mesma”, explica Carrijo, que não soube precisar quantas propriedades já tiveram rebanhos vacinados por meio da Agulha Oficial.

A diretora-presidente da Iagro também afirmou que, quase um mês depois da confirmação do foco de aftosa no Paraguai, as equipes de vigilância na área de fronteira vistoriados mais de 1 mil propriedades.

A frente de trabalho reúne Iagro, DOF (Departamento de Operação de Fronteira), Exército, polícias civil e militar. A operação Boiadeiro, desencadeada pelo Exército para combate à aftosa, tem encerramento previsto para o mês que vem.

Questionada se a fiscalização perderá força sem o Exército, Carrijo declarou que confia na conscientização dos produtores rurais. “Nosso principal exército são os produtores. A experiência em 2005 foi dura e até hoje não houve recuperação financeira plena de alguns setores. Ninguém quer passar por isto de novo”, pontua.

“Além disso, o contingente policial do Estado continuará à disposição dos trabalhos. Temos investido no trabalho de educação sanitária”, complementa a diretora.

O governo Paraguaio confirmou no dia 19 do mês passado o foco de aftosa, surgido em fazenda no Departamento de San Pedro. Pelo menos 800 animais foram sacrificados. O vírus foi detectado em 13 cabeças de gado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUVENTUDE
Conselho Estadual da Juventude abre processo seletivo para representantes da sociedade civil
PONTA PORÃ
Polícia Militar flagra veículo transportando produtos de contrabando e descaminho
SAÚDE
Pesquisa: cepa do Amazonas do coronavírus gera mais carga viral
TEMPO
Fevereiro termina com pancadas de chuva e máxima de 36°C em Mato Grosso do Sul