Menu
Busca sexta, 23 de outubro de 2020

Idosa tem perna amputada e família acusa médico de negligência

Idosa tem perna amputada e família acusa médico de negligência

09 agosto 2011 - 10h33Por CG News
A aposentada Maria Izabel da Silva, 66 anos, teve a perna direita amputada em procedimento realizado no sábado à noite na Santa Casa de Campo Grande. O filho dela, João Pereira da Silva, 31 anos, alega negligência e erro de um médico que atendeu a aposentada no hospital e maternidade Nossa Senhora da Glória, em Glória de Dourados, onde ela reside.

Segundo João, a mãe é diabética, mas tinha a doença controlada até que, por conta de mal estar, ela foi internada no dia 25, segunda-feira da semana passada, na unidade.

Lá ela ficou até o dia 27, quarta-feira, e, conforme Pereira, o médico responsável pelo quadro chegou a dar alta a Maria Izabel alegando “que ela não tinha nada”.

No mesmo dia, após chegar em casa e continuar apresentando mal estar e dor na perna direita, ela voltou ao hospital no município, onde continuou na quinta-feira.

A família, que demonstrou estar inconformada com o atendimento na maternidade, além da permanência da aparência roxa na perna, recorreu a um médico da cidade de Jateí.

O profissional sinalizou, ainda na quinta, a gravidade do quadro. Os familiares preferiram retirar a paciente do hospital, por meios particulares, na sexta-feira.

A idosa foi transportada para a Santa Casa de Campo Grande no sábado de manhã. Segundo João, na noite do mesmo dia, os médicos adotaram o procedimento de amputação, alegando que Maria Izabel "poderia morrer dentro de dois ou três dias”.

“O médico do hospital de Glória de Dourados, que fez o primeiro atendimento, negligenciou a trombose da minha mãe. Vamos procurar o Conselho Regional de Medicina para informar o caso. A família ficou muito triste com isso, que é um absurdo”, disse, indignado, o filho da idosa.

A direção do hospital de Glória de Dourados garantiu que, enquanto a idosa esteve internada na unidade, não apresentou quadro de trombose, além de atestar que a aposentada tem sequelas geradas por um AVC e que não se locomovia mais.

Além disso, a direção informou ainda que solicitou vaga à Central de Regulação, na quinta-feira, e o pedido foi recusado.

O hospital garante também que utilizou medicamentos contra o quadro de má circulação enquanto Maria Izabel esteve internada, bem como apontou que a aposentada pode ter contraído o quadro de trombose entre sexta e sábado, no período que esteve fora da unidade.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
BRASIL Pix poderá ser usado para recolhimento do FGTS
JUSTIÇA
Construtoras devem indenizar cliente por atraso na entrega de imóvel
COSTA RICA
Adolescente é apreendido com crack e cocaína pela Polícia Civil
POLÍTICA
Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF