Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020

Investigação sobre morte no lixão vai ouvir testemunhas semana que vem

Investigação sobre morte no lixão vai ouvir testemunhas semana que vem

29 dezembro 2011 - 18h06Por CG News
A Polícia Civil abriu inquérito para investigar a morte do menino Maikon Correia de Andrade, 10 anos, soterrado na tarde desta quarta-feira depois de um desmoronamento no lixão. Após a retirada do corpo, encontrado no final da manhã de ontem em meio a montanha de lixo, a Polícia já está periciando o local.

Com os laudos do lixão em mãos, a Polícia vai ouvir os pais da criança e os responsáveis pelo lixão. Segundo o delegado do 5ª Distrito Policial, Jairo Carlos Mendes, a previsão é de que isso ocorra no final da semana que vem.

De acordo com o delegado, os laudos vão apontar as circunstâncias da queda, a situação do terreno e as condições do aterro. “Ali era o último lugar onde uma criança poderia estar”, ressalta.

No começo da tarde desta quinta-feira, o Corpo de Bombeiros realizou uma coletiva sobre o trabalho de buscas. O comandante responsável pelo resgate a partir das 7h da manhã de hoje, capitão Luiz Moreira, ressaltou que o foco dos serviços o tempo todo, era a família de Maikon.

“Em nenhum momento nós pensamos em parar, porque a gente sabe da dor da família. E que eles querem o corpo”.

O desejo e o empenho de toda equipe de bombeiros, Defesa Civil era para retirar o menino com vida. “A gente sempre trabalha buscando salvar. Nesse caso já era difícil encontrar a criança com vida pelas condições do local”, explicou o capitão.

Todo o serviço envolveu três maquinários, 14 homens, nove deles militares, ainda apoio do Samu e Secretaria Municipal de Obras.

Depois de 20 horas de buscas, o primeiro a ver que o menino havia sido achado foi o coordenador de operações da Defesa Civil, Sebastião Rayol. Emocionado, com lágrimas nos olhos ele gritou para que as máquinas parassem “acharam, para, para, para”.

As visíveis toneladas de lixo foi o que dificultou o trabalho. Embora o Corpo de Bombeiros tivesse o receio de que o trabalho durasse até quatro dias. “Foi mais rápido do que a gente esperava, o nosso medo era passar um, dois, três, até quatro dias e o estado de decomposição do corpo é ainda mais rápido nesse caso, por conta das bactérias do lixão”, disse o capitão Luiz Moreira.

Em uma situação dessas é difícil imaginar o que tornaria o fato menos trágico, mas segundo o perito Domingos Sávio, o estado do corpo de Maikon indica que ele morreu na hora do desmoronamento. “A morte foi instantânea”, falou.

O corpo foi levado para o IMOL (Instituto Médico Odontológico Legal). O caso será investigado pela 5ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande. A prefeitura também instaurou processo administrativo para apurar a ocorrência, quem estava trabalhando no momento do incidente, quais empresas e quem teve acesso àquela área.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
MS
Governo do Estado convoca escrivães aprovados no concurso da Polícia Civil para ocupar vagas remanescentes
CRIME AMBIENTAL
Engenheiro é autuado em R$ 50 mil por degradação de área protegida de mata ciliar do rio Salobra, o qual é protegido com proibição de pesca
NOTÍCIAS
Segurado será indenizado por atraso superior a 4 meses no conserto de veículo