Menu
Busca sábado, 28 de novembro de 2020

Judiciário de MS digitalizou 30 Comarcas neste ano

05 dezembro 2011 - 10h24Por Assessoria
Ao longo deste ano de 2011 o Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul digitalizou 30 de suas 54 Comarcas. A experiência começou na metade do ano passado quando foram digitalizadas sete Comarcas. Para 2012 restam apenas 17 comarcas e a expectativa é de que até outubro todo o Estado esteja digitalizado.

Fecham os trabalhos deste ano as Comarcas de Terenos e Água Clara que a partir de segunda-feira (5) passaram a ser digitais. Com isso, o Estado conta com 37 de suas comarcas digitalizadas. A 35ª comarca digitalizada foi Anaurilândia, no último dia 28 de novembro.

Além disso, neste ano a Secretaria de Tecnologia da Informação (STI) implantou o processo eletrônico na Justiça Itinerante (8ª Vara do Juizado Especial), no Juizado do Trânsito (9ª Vara do Juizado Especial), na 1ª e 2ª Varas do Tribunal do Júri e na Vara da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher.

Novas comarcas digitais - A Comarca de Terenos foi instalada em dezembro de 2000. Com população estimada (IBGE/2011) de 17.567 habitantes, Terenos é uma Comarca de 1ª Entrância, composta por vara única e juizado adjunto. Atualmente tramitam na vara única 2.807 processos e 259 no juizado adjunto.

Água Clara também é uma Comarca de 1ª Entrância. Ela foi instalada em janeiro de 2001 e conta com uma população em torno de 14.686 habitantes. Estão em andamento no Fórum de Água Clara 3.557 processos na vara única e 416 no juizado adjunto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CULTURA
Blues e Rock embalam as lives do Som da Concha deste fim de semana
BOLSA FAMÍLIA
Beneficiários do programa receberão em poupança digital
REGIÃO
Pescador é autuado em R$ 1,5 mil por pescar durante a piracema
SAÚDE
Vacina contra Covid-19 não deve ser oferecida para toda população em 2021, diz Ministério da Saúde
Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações explicou que alguns grupos não estão participando dos testes. Secretário-executivo do Ministério da Saúde citou também as limitações mundiais de produção