Menu
Busca domingo, 09 de agosto de 2020

Juíza foi seguida por moto antes de morrer

Juíza foi seguida por moto antes de morrer

25 agosto 2011 - 10h47Por O Dia
A juíza Patrícia Acioli — executada com 21 tiros na porta de casa em Niterói — foi seguida pelos seus assassinos desde que deixou o Fórum de São Gonçalo, dia 11. A perseguição à magistrada foi feita por dois homens, que usavam capacetes e jaquetas, em uma moto Honda 125 preta. Para seguir os passos dos matadores, a polícia refez os 35 quilômetros percorridos por Patrícia de São Gonçalo a Piratininga, em Niterói.

Imagens captadas por câmeras durante o trajeto feito pela magistrada mostram a ação dos criminosos. Elas foram anexadas ao inquérito policial que apura o crime. Para chegar aos responsáveis, as investigações rumaram para a lista de 91 PMs que respondem por crimes, como de homicídio, na 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, onde Patrícia era a juíza titular. Entre os suspeitos está um oficial da Polícia Militar.

Nesta quarta-feira, o cabo da PM Marcelo Poubel, namorado de Patrícia, voltou a ser ouvido na Divisão de Homicídios. Ele deixou a unidade na viatura da Divisão, escoltado por agentes. Para fechar o cerco aos bandidos, a cúpula da Polícia Civil determinou que as delegacias de Niterói e São Gonçalo também auxiliem a DH nas investigações. A primeira ação foi dos policiais da 75ª (Rio D’ouro), nesta quarta-feira. Os agentes estouraram o escritório do contraventor Luís Anderson de Azeredo Coutinho, em São Gonçalo. Foragido da Justiça, ele teve a prisão preventiva decretada por Patrícia Acioli.

No dia 17, O DIA mostrou relatório da Polícia Federal de 2009, no qual escutas telefônicas, autorizadas pela Justiça, flagraram o contraventor dizendo a interlocutor que ‘uma bomba iria explodir em São Gonçalo’. Em outro trecho das interceptações, o bicheiro acrescenta “que a pessoa que bate o martelo iria chorar lágrimas de sangue”. O caso foi investigado pelo Tribunal de Justiça, que concluiu não haver indícios de que o contraventor representasse uma ameaça à segurança da magistrada.

Inquérito para investigar munição

A Polícia Militar abriu inquérito para apurar o suposto desvio de munição usada na morte da juíza Patrícia Acioli. Como O DIA noticiou segunda-feira com exclusividade, cartuchos apreendidos no local do crime são de lote de 10 mil munições calibre 40 compradas pela corporação. Parte delas foi para o 7º BPM (São Gonçalo) onde há PMs investigados pela magistrada.

No escritório do contraventor Luís Anderson de Azeredo Coutinho, agentes apreenderam contabilidade do jogo do bicho. Cinco funcionários foram indiciados por contravenção. “Apreendemos até a movimentação de hoje (quarta-feira). Mas nada relativo ao homicídio”, explicou o delegado-titular da 75ª DP, Julio Cesar Mulatinho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária no Líbano
ASSASSINATO
Ex-lutador de MMA é assassinado a tiros ao lado da esposa, na fronteira de MS com o Paraguai
OPORTUNIDADES
JBS oferece mais de 600 vagas em Dourados e mais cinco cidades 08 agosto 2020 - 19h40Por Da Redação
SAÚDE
Rio de Janeiro confirma 178 mil casos e 14 mil mortes da covid-19