Menu
Busca quarta, 03 de março de 2021

Kleber lidera motim, Felipão ameaça demissão e quer afastamento do Gladiador

Kleber lidera motim, Felipão ameaça demissão e quer afastamento do Gladiador

11 outubro 2011 - 23h55
Uol


A agressão a João Vitor não despertou apenas o sentimento de medo aos jogadores do Palmeiras, mas acabou provocando a verdadeira revolta e uma grande confusão com a diretoria e o técnico Luiz Felipe Scolari. Kleber liderou um motim e, apoiado pelos outros atletas, ameaçou não entrar em campo contra o Flamengo, quarta-feira, no Engenhão.

Felipão se irritou com a falta de comando da diretoria e falou até em demissão. O treinador quer punição rigorosa para os rebeldes e ameaça não viajar para o Rio de Janeiro se Kleber estiver na delegação. Ele quer o afastamento do atacante.

Todo o grupo estava concentrado na Academia de Futebol e se preparava para viajar às 21h para o Rio de Janeiro. Mas a notícia de que o colega foi agredido na tarde desta terça-feira alterou toda a programação. Tomados pelo medo e pela preocupação com que novos incidentes ocorressem, os jogadores se reuniram com a diretoria. Os líderes, representados por Marcos, Marcos Assunção e Mauricio Ramos, cobraram proteção e uma ação mais enérgica da cúpula contra fatos tão inadmissíveis.

Mas a reunião fugiu do controle. Kleber se revoltou e discutiu abertamente com o vice de futebol Roberto Frizzo, que ordenou que todos entrassem no ônibus para se concentrarem em um hotel em São Paulo e seguir para a capital fluminense no dia seguinte. O Gladiador desrespeitou a regra e ameaçou não entrar em campo caso a diretoria não tomasse uma atitude.

O atacante pegou seu carro e foi para casa, apoiado pelos outros atletas que se negaram a entrar no ônibus e também foram para suas residências. Marcos Assunção, Henrique, Fernandão e Ricardo Bueno foram os primeiros a apoiar o Galadiador. Sem nada a fazer, a diretoria ordenou que todos se apresentem no centro de treinamento às 7h30 para a viagem.

A confusão chegou ao ponto de um funcionário do clube ligar durante a noite para cada jogador avisando o horário que eles devem chegar à Academia. A cúpula, no entanto, não tem qualquer garantia e teme que eles não apareçam.

Felipão observou todas as desavenças e também ficou muito nervoso, mas deixou Frizzo tentar contornar a situação. A assessoria de imprensa do treinador disse não ter informações sobre o imbróglio por estar fora do país.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Pesquisadores da UnB desenvolvem máscara que inativa coronavírus
Presente no equipamento, nanofilme de quitosana consegue barrar vírus
LEGISLATIVO
Deputado Neno Razuk pede recuperação de estradas na região do Paxixi em Miranda
POLÍTICA
Nova alta do petróleo reforça mudança na Petrobras, diz Bolsonaro
GESTÃO
Jornalista Ico Victório toma posse como diretor-presidente da Fertel