Menu
Busca quarta, 02 de dezembro de 2020

Liminar beneficia professores com carga horária

Liminar beneficia professores com carga horária

17 janeiro 2012 - 14h14Por Correio do Estado
O desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte concedeu ontem liminar determinando que o Governo estadual aumente de 25% para 33% a carga horária para planejamento de aulas dos professores da rede estadual. A decisão é favorável à Federação dos Trabalhadores na Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), entidade que representa 25 mil profissionais no Estado e que ingressou com mandado de segurança no Tribunal de Justiça exigindo o cumprimento da nova jornada, estipulada na Lei Federal 11.738/08.

Com essa obrigatoriedade, o Governo estadual alega que teria de contratar pelo menos 4 mil professores, gerando um impacto de aproximadamente R$ 5 milhões mensais na folha de pagamento. Entretanto, o presidente da Fetems, Roberto Botareli, fala que seriam necessários aproximadamente 1,7 mil docentes a mais para acatar a determinação.

A decisão foi concedida em caráter liminar na tarde de ontem e ainda cabe ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça analisar o mérito da questão. O mandado de segurança segue agora para parecer da Procuradoria Geral de Justiça. "Esperamos que o Governo não tente recorrer e cumpra o que determina a lei", disse Botareli.

Ao conceder a liminar, o desembargador considera o perigo de demora (periculum in mora) porque há um curto lapso de tempo para que a Secretaria Estadual de Educação reorganize a jornada de trabalho, passando as atividades extra classe para um terço da carga horária. As aulas começam no dia 6 de fevereiro.

Ele cita ainda que há decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) reconhecendo a legalidade da lei 11.738 e "a possível irreparabilidade de lesão", caso a liminar não fosse concedida. Para pedir a ampliação da jornada de planejamento de aulas, a Fetems baseia-se na mesma lei que determinou a implantação do piso salarial nacional, hoje fixado em R$ 1.480 para os docentes das escolas públicas estaduais. "Na liminar o desembargador considerou a decisão do STF, reconhecendo a legalidade do que está sendo pedido", disse o advogado Ronaldo Franco, que representa a Fetems.

Justiça

Desde que entrou em vigor a legislação, foram vários impasses judiciais para colocá-la em prática. Cinco governadores, incluindo André Puccinelli, ingressaram com ação no STF alegando inconstitucionalidade. Entretanto, após dois anos de tramitação, a Ação Direta de Insconstitucionalidade (Adi) foi rejeitada, o que aconteceu em julho do ano passado.

Desde então, representantes da Fetems fizeram algumas reuniões para tentar negociar a ampliação da jornada de trabalho e decidiram ingressar na Justiça no mês passado, porque viram que as mudanças não estavam previstas na organização curricular e no regime escolar para o ano letivo de 2012. "Agora terão de cumprir a nova jornada no começo das aulas", disse Botareli.

Ontem, a secretária estadual de Educação, Maria Nilene Badeca, foi procurada pela reportagem e informou que estava em Bataguassu acompanhando evento com a vice-governadora Simone Tebet. Ela ficou de falar sobre o assunto, mas a reportagem não obteve retorno até o fechamento desta matéria. O procurador geral do Estado, Rafael Coldibelli, disse que irá se manifestar depois de tomar conhecimento sobre o teor da decisão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Produção industrial cresceu 1,1% em outubro, diz IBGE
ORDEM DO DIA
Vítimas de violência podem ser inclusas nos cadastros habitacionais
DEZEMBRO VERDE
Alerta para aumento do abandono de animais durante pandemia
REGIÃO
Polícia Militar Ambiental de São Gabriel do Oeste resgata anta de tanque de piscicultura em sítio