Menu
Busca sexta, 04 de dezembro de 2020

Marçal prepara MS para atacar o crack

Marçal prepara MS para atacar o crack

06 fevereiro 2012 - 15h26
Divulgação (TP)

O deputado federal Marçal Filho (PMDB), que antes mesmo de toda mobilização do governo federal em torno do combate ao crack e atenção aos dependentes químicos, já alertava para a situação de epidemia dessa droga, disse ontem que vai mobilizar forças para colocar o Mato Grosso do Sul na segunda etapa do programa “Crack, é Possível Vencer”. A declaração do deputado foi uma resposta à informação que o Estado ficou fora dessa primeira etapa do programa, uma vez que as autoridades do Ministério da Saúde e do Ministério da Justiça decidiram priorizar os Estados onde a situação é mais crítica, sobretudo naqueles onde existem redutos conhecidos como crackolândia. “Respeito o cronograma do governo federal, mas conheço o sofrimento de centenas de famílias sul-mato-grossenses que enxergam no programa a última esperança para livrar seus familiares dessa droga”, enfatiza Marçal Filho.

Como tinha conhecimento prévio da possibilidade de o Mato Grosso doSul ficar de fora da primeira etapa do programa “Crack, é Possível Vencer”, o deputado Marçal Filho mobilizou esforços para dotar o Estado de condições físicas para ser incluído na segunda etapa do programa, o que deve ocorrer ainda no segundo semestre. “Minha primeira ação nesse sentido foi assegurar um emenda de R$ 1 milhão ao Orçamento Geral da União para construção de um moderno Centro de Atendimento Psciossocial (CAPS) que terá a missão de oportunizar tramento adequado aos dependentes químicos”, explica.

Marçal Filho acredita que suas reivindicações em favor de Mato Grosso do Sul nessa guerra contra o crack serão atendidas pelos diferentes ministérios em Brasília porque essa guerra não é nova. O deputado participou ativamente da elaboração do Plano de Enfrentamento ao Crack do Governo Federal com o objetivo de aumentar a oferta de tratamento de saúde e atenção psicológicoa aos usuários de drogas; de enfrentar o tráfico e as organizações criminosas e, sobretudo, de ampliar atividades de prevenção. Numa dessas ações, o deputado realizou uma ampla audiência pública em Dourados que contou, inclusive, com a presença do juiz federal Odilon de Oliveira e autoridades estaduais, federais e municipais.

Em outra frente, Marçal Filho bateu às portas de diferentes ministérios para propor um plano nacional de enfrentamento às drogas e manteve audiências com técnicos do Ministério da Saúde e Ministério da Justiça, defendendo a adoção de um programa interministerial completo de enfrentamento às drogas e no combate vigoroso ao tráfico, no desestímulo à curiosidade dos jovens ao desejarem experimentar qualquer entorpecente e na oferta de tratamento de apoio aos seus usuários de forma a ressocializar o dependente. Marçal chegou a defender políticas habitacionais específicas para dependentes químicos como forma de afastar esse público das áreas de risco.

Nessa guerra contra o crack, o deputado apresentou indicações ao Ministério da Saúde (número 1.351), ao Ministério da Justiça (número 1.359) e ao Ministério das Cidades (número 1.350), onde sempre defendeu a necessidade de um cronograma para a realização das ações contra as drogas, sobretudo, nas regiões críticas de grandes cidades e na faixa de fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai e com a Bolívia, que é por onde entra a maior parte do crack consumido pelos dependentes químicos brasileiros. Esse problema foi discutido pelo deputado Marçal Filho numa audiência com o Comando Militar do Oeste, onde ficou definido que o Exército atuaria mais efetivamente na região de fronteira.

Ao mesmo tempo em que desenvolve ações em Brasília e cobra a inclusão de Mato Grosso do Sul no programa “Crack, é Possível Vencer”, o deputado vai intensificar os trabalhos como membro do Parlamento do Mercosul (Parlasul) para ajudar a desenvolver uma legislação conjunta contra as drogas com os países do Mercado Comum do Sul (Mercosul).

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Ministro debate com entidades retorno das aulas presenciais
MAUS TRATOS
Estudante de 26 anos é autuada por maus tratos ao deixar cachorro sem água, sem alimentação e doente
ECONOMIA
Captação da poupança cai pela primeira vez desde janeiro
CAMPO GRANDE
Polícia Civil recupera celular produto de apropriação de coisa achada