Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020

Médicos tiram dúvidas sobre cólica, menstruação, pílula, DIU e mamas

Médicos tiram dúvidas sobre cólica, menstruação, pílula, DIU e mamas

06 janeiro 2012 - 14h40
Bem Estar

Segundo os médicos, compressas de água quente, bebidas quentes (como chás e achocolatados) e exercícios aeróbicos moderados são ótimos hábitos para combater a cólica menstrual. Hidratar-se bem nessa fase também é muito importante.

O fluxo menstrual normal é, em geral, de até meio copo (entre 50 e 100 ml) liberado de três a cinco dias. Durante a vida, uma mulher menstrua cerca de 400 vezes. Quem engravida e amamenta perde em média 20 ciclos.

Algumas mulheres param de ter cólicas após a gestação, pois nesse período há uma produção enorme de progesterona, hormônio que faz com que o endométrio atrofie.

É preciso observar sempre seu padrão menstrual e, quando houver mudanças para mais ou para menos, é sinal de que algo diferente está acontecendo e necessita investigação.

Endometriose
Considerada uma doença das mulheres modernas, que levam uma vida mais estressante, a endometriose é a presença do endométrio (camada que reveste a cavidade do útero, preparando-o para receber o embrião) fora do útero.

Quando não ocorre fecundação, normalmente esse tecido se descama e é eliminado pela menstruação. Na doença, o endométrio se implanta fora do útero, migrando por meio da corrente sanguínea para os ovários, ligamentos pélvicos, intestinos, bexiga, apêndice e vagina.

Em casos mais raros, pode ser encontrado em outras partes do corpo, como pulmão e sistema nervoso central. Isso faz com que o problema seja tratado de maneira multidisciplinar, por especialistas de diversas áreas.

Uma teoria considerada para o desenvolvimento da doença são falhas no sistema imunológico. Outra hipótese estuda a transformação de células que assumem as características do endométrio fora do útero.

No Brasil, cerca de 6 milhões de mulheres têm endometriose. No entanto, por ser uma doença que apresenta diferentes sintomas ou até assintomática, o diagnóstico demora em média sete anos, entre o início dos sinais e a descoberta, que se dá por videolaparocopia.

Em pacientes com menos de 20 anos, esse tempo é ainda maior, de cerca de 12 anos. Entre 10% a 15 % das mulheres na faixa dos 15 aos 48 anos têm endometriose.

Principais sintomas
- Cólica menstrual
- Dor para evacuar ou urinar durante o fluxo
- Dor na relação sexual
- Dor entre as menstruações
- Dificuldade para engravidar

Tratamento
A endometriose pode ser tratada por cirurgias (para retirar focos de sangue), em que geralmente são feitos pequenos cortes, e/ou por tratamentos hormonais, com o uso de pílulas ou outros hormônios.

O anticoncepcional oral é um dos métodos mais populares de tratamento, mas é preciso ter indicação médica, pois são comprimidos específicos para esse caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Déficit primário do Governo Central atinge R$ 3,56 bilhões em outubro
MS
Salários dos mais de 79 mil servidores estaduais será depositado nesta sexta-feira
EDUCAÇÃO
AGU: nível superior vale como comprovação em concurso para nível médio
Decisão saiu no Diário Oficial da União de hoje
NOTÍCIAS
Ozonioterapia ajuda na recuperação de onça ferida em incêndio no Pantanal