Menu
Busca segunda, 25 de janeiro de 2021

Ministério Público do Trabalho fecha cerco contra carvoarias da fronteira

13 agosto 2012 - 15h10
carvao


Para acabar com a exploração da mão-de-obra quase escrava, o Ministério Público do Trabalho está “fechando o cerco” contra as fazendas produtoras de carvão da fronteira do Mato Grosso do Sul com o Paraguai. No mês passado, operação conjunta do MPT e o fórum estadual de Saúde, Segurança e Higiene no Trabalho, flagrou 30 trabalhadores paraguaios em condições degradantes de trabalho e um menor de 18 anos em carvoarias de Porto Murtinho, que já foram fornecedoras da MMX.

De acordo com o procurador do trabalho Cicero Rufino Pereira, responsável pelas investigações, é comum encontrar pessoas trabalhando em situação análoga a escravidão em Mato Grosso do Sul, principalmente, em municípios das fronteira com o Paraguai. Isso porque os trabalhadores paraguaios são trazidos para o Brasil com facilidade e, aqui, não são registrados, o que facilita o descumprimento de leis trabalhistas. “Me parece que (esta situação) é lugar comum na região de fronteira”, afirma.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Ainda sem aprovação do Orçamento 2021, governo deve controlar gastos
SAÚDE
Estados brasileiros começam a receber vacina de Oxford
SAÚDE
Número de casos de Covid-19 continua alto na maioria das cidades do Estado
NOTÍCIAS
Prêmio Sesc de Literatura abre inscrições para obras inéditas