Menu
Busca sexta, 25 de setembro de 2020

Morre bebê que, sem exame, teve diagnóstico tardio de doença cardíaca

Morre bebê que, sem exame, teve diagnóstico tardio de doença cardíaca

16 janeiro 2012 - 15h10
Campograndenews

Foi a burocracia que matou o meu neto”. Com essa frase, a professora Elizena Gomes Garcia, de 43 anos, avó do menino Lucas Samuel, de 21 dias, falou hoje sobre a morte do bebê, no Hospital Beneficiência Portuguesa, em São Paulo. Lucas foi levado para a capital paulista para uma cirurgia para corrigir um problema no coração, que poderia ter sido diagnosticado logo que ele nasceu, no dia 26 dezembro, mas não foi porque a criança deixou de ser submetida a um exame previsto em lei, o teste do coraçãozinho.

Diagnosticada a doença, por meio de outros exames após a criança passar mal, nova demora, dessa vez por vaga no hospital paulistano, referência no tratamento. Ele a mãe embarcaram só na quinta-feira e hoje cedo o bebê morreu, sem sequer ter feito a cirurgia necessária. “Ele lutou muito pela vida. Eu reaprendi a orar com o Lucas. Eu reaprendi o valor da vida”, disse a avó, emocionada.

A família, agora, está se desdobrando para trazer o corpo do bebê para ser velado em Campo Grande. O traslado custou R$ 1,5 mil, após um abatimento conseguido pela avó, de um valor inicial de R$ 5 mil. Agora, explicou Elizena, falta a passagem para a mãe do menino, Priscila, poder vir.

Vítima da burocracia-Elizena disse que, por tudo que os médicos informaram, o bebê tinha chances de se curar, se tivesse sido diagnosticado a tempo e se a operação tivesse sido feita realmente de urgência. “Outras foram feitas aqui e deram certo, diz a vó.

O bebê nasceu com a Síndrome de Hipoplasia de Ventrículo Esquerdo, um grave problema que deixa apenas meio coração em funcionamento.

A cardiopatia poderia ter sido identificada por meio do exame de oximetria de pulso (Teste do Coraçãozinho), exigido em todos os hospitais de Mato Grosso do Sul, conforme lei vigente desde 6 de dezembro. Apesar disso, o exame não foi feito, privando Lucas do atendimento correto.

Em vez de ser encaminhado para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e fazer cirurgia o mais rápido possível, ele teve alta no dia seguinte ao nascimento. As cinco horas que passou em casa agravaram seu estado de saúde.

“Se ele tivesse tido o diagnóstico correto, não teria sofrido assim. Agora, tem que fazer diálise, está entubado e com infecção no fígado”, relatou a mãe, em reportagem do Campo Grande News na semana passada. Ela tem também uma menina de 2 anos.

O bebê nasceu no Hospital do Pênfigo e, após o agravemento do quadro, foi para a Santa Casa, onde fez novos exames que identificaram a doença. De lá, foi transferido na quinta-feira, de UTI Móvel, para o ospital de São Paulo, onde morreu esta manhã.

A lei estipulando que “todo ser humano nascido no Estado de Mato Grosso do Sul deverá ser submetido ao exame de oximetria de pulso”, o teste que identifica problemas no coração logo após o nascimento,foi sancionada no fim de 2012 e ainda depende de regulamentação, a ser publicada em 90 dias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BR 267
Polícia Militar intercepta e apreende duas caminhonetes que seriam utilizadas pelo crime organizado na região de fronteira
ECONOMIA
Pedidos de seguro-desemprego caem 9,3% na primeira metade de setembro
PONTA PORÃ
Polícia Civil prende mulher que forjou o sequestro do próprio neto
JUSTIÇA
Réus condenados no Tribunal do Júri têm recurso negado