Menu
Busca terça, 11 de agosto de 2020

Morte de universitária no Piauí ainda é mistério

Morte de universitária no Piauí ainda é mistério

06 outubro 2011 - 08h24Por UOL
A morte da estudante de direito, Fernanda Lages, 19, ainda não foi desvendada pela polícia do Piauí e está causando divergências entre o Ministério Público Estadual e a Secretaria de Segurança Pública do Estado. De um lado, a polícia não descarta a hipótese de suicídio, do outro, a promotoria criminal aponta crime de queima de arquivo.

A universitária foi encontrada morta no dia 25 de agosto na obra da nova sede do Ministério Público Federal, em Teresina, capital piauiense. O crime virou mistério com direito a boataria nas redes sociais sobre os supostos acusados serem “peixe grande” e “figurão” em Teresina.

A polícia diz que ainda não tem suspeitos, já os promotores Eliardo Cabral e Ubiraci Rocha, que acompanham o caso, afirmam que Fernanda Lages foi assassinada com a participação de pessoas influentes no Estado. Os promotores, porém, não citam nomes.

Com as divergências no inquérito, o governador do Piauí, Wilson Martins (PSB) convocou reunião no início da noite de quarta-feira (5) para tentar sanar os impasses. O governador garantiu que o crime será elucidado “doa a quem doer”.

"A morte da estudante [Fernanda Lages] tem que ser elucidada, mas tem que ser com clareza. Doa a quem doer, a polícia precisa apresentar resultados", afirmou após reunião com a cúpula da segurança, Ministério Público, OAB e Polícia Federal, no Palácio de Karnak.
Perícia

O Ministério Público garante que a universitária foi jogada viva de uma altura de 27m do prédio da Procuradoria Federal. O promotor Eliardo Cabral cobra que a polícia tenha uma linha de investigação e descarte de vez a hipótese de suicídio.

“Não convence mais ninguém essa história de suicídio. Ou a polícia quer encobrir alguém ou não está investigando de verdade”, disse o promotor.

O laudo da perícia feita na Paraíba confirmou que a jovem foi morta pela queda e teve politraumatismo. Quando caiu ou foi arremessada, a estudante estava com alto teor de álcool no sangue, revelou a perícia.

Ontem, a polícia enviou um lote com 19 amostras de materiais genéticos para um instituto da Paraíba realizar novos exames de DNA. Os resultados devem sair em 10 dias.

O pai da estudante, o ex-vereador Paulo Lages, disse que a família não aceita a hipótese de suicídio. Ele garante que se a polícia permanecer nessa hipótese, pedirá a transferência do caso para a Polícia Federal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Congresso marca três reuniões para analisar todos vetos presidenciais
MATO GROSSO DO SUL
Governo divulga resultado preliminar de processo seletivo para área da saúde
GERAL
Anvisa quer reforçar medidas contra covid-19 em aeroportos e aeronaves
ANTÔNIO JOÃO
Polícia Civil prende foragido da justiça procurado pela prática de falsidade ideológica