Menu
Busca segunda, 01 de março de 2021

Morte de universitária no Piauí ainda é mistério

Morte de universitária no Piauí ainda é mistério

06 outubro 2011 - 08h24Por UOL
A morte da estudante de direito, Fernanda Lages, 19, ainda não foi desvendada pela polícia do Piauí e está causando divergências entre o Ministério Público Estadual e a Secretaria de Segurança Pública do Estado. De um lado, a polícia não descarta a hipótese de suicídio, do outro, a promotoria criminal aponta crime de queima de arquivo.

A universitária foi encontrada morta no dia 25 de agosto na obra da nova sede do Ministério Público Federal, em Teresina, capital piauiense. O crime virou mistério com direito a boataria nas redes sociais sobre os supostos acusados serem “peixe grande” e “figurão” em Teresina.

A polícia diz que ainda não tem suspeitos, já os promotores Eliardo Cabral e Ubiraci Rocha, que acompanham o caso, afirmam que Fernanda Lages foi assassinada com a participação de pessoas influentes no Estado. Os promotores, porém, não citam nomes.

Com as divergências no inquérito, o governador do Piauí, Wilson Martins (PSB) convocou reunião no início da noite de quarta-feira (5) para tentar sanar os impasses. O governador garantiu que o crime será elucidado “doa a quem doer”.

"A morte da estudante [Fernanda Lages] tem que ser elucidada, mas tem que ser com clareza. Doa a quem doer, a polícia precisa apresentar resultados", afirmou após reunião com a cúpula da segurança, Ministério Público, OAB e Polícia Federal, no Palácio de Karnak.
Perícia

O Ministério Público garante que a universitária foi jogada viva de uma altura de 27m do prédio da Procuradoria Federal. O promotor Eliardo Cabral cobra que a polícia tenha uma linha de investigação e descarte de vez a hipótese de suicídio.

“Não convence mais ninguém essa história de suicídio. Ou a polícia quer encobrir alguém ou não está investigando de verdade”, disse o promotor.

O laudo da perícia feita na Paraíba confirmou que a jovem foi morta pela queda e teve politraumatismo. Quando caiu ou foi arremessada, a estudante estava com alto teor de álcool no sangue, revelou a perícia.

Ontem, a polícia enviou um lote com 19 amostras de materiais genéticos para um instituto da Paraíba realizar novos exames de DNA. Os resultados devem sair em 10 dias.

O pai da estudante, o ex-vereador Paulo Lages, disse que a família não aceita a hipótese de suicídio. Ele garante que se a polícia permanecer nessa hipótese, pedirá a transferência do caso para a Polícia Federal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
SES inicia capacitação de Coordenadores e Supervisores Municipais de Controle de Vetores
DISTRITO NOVA ITAMARATI
Polícia Militar apreende contrabando e descaminho que seriam revendidos em Campo Grande
ECONOMIA
Ricardo Faria é o novo secretário de governança de empresas estatais
LEGISLATIVO
Em visita a Associação Juliano Varela, Neno Razuk conhece ações da entidade