Menu
Busca domingo, 07 de março de 2021

Morte na MS-156 denuncia condições das rodovias

Morte na MS-156 denuncia condições das rodovias

06 outubro 2011 - 19h48Por Midiamax
Após mais uma morte ocorrida na madrugada de quarta-feira (05), usuários da MS-156, trecho que liga a área urbana de Dourados ao Distrito Industrial, denunciam as condições das estradas no município. Dourados tem uma malha viária extensa: as BRs 163, 376 e 463 e as MSs 156, 162, 276, 270, 379 e 370, além de vicinais municipais.

Daniele Gonçalves, de 26 anos, morreu durante a madrugada desta quarta-feira na rodovia MS-156 entre Dourados e o Distrito Industrial.Ela retornava da empresa onde trabalhava para casa em uma motocicleta quando uma vaca teria atravessado a pista. Daniele não teria conseguido desviar, atropelando o animal. Ela sofreu ferimentos graves quando caiu da moto e morreu na hora.

Segundo relatório de investimentos do Governo Estadual, Dourados recebeu, de 2007 a 2011, R$ 84.105.357,07 de investimentos em pavimentação de rodovias e pontes. Porém, apesar dos valores investidos, a maioria das vias que ligam o município estão esburacadas, falta sinalização e iluminação. A grande maioria delas não tem acostamento e o tráfego de animais e bicicletas torna as estradas ainda mais perigosas.

A MS-156, no trecho onde a jovem morreu, é um bom retrato da situação das estradas. Em outubro do ano passado um acidente, semelhante ao de ontem, vitimou um motociclista na rodovia. O jovem se chocou com um cavalo que estava na pista e morreu na hora.

Outros dois acidentes em rodovias estaduais denunciam a periculosidade das estradas. No dia 6 de agosto, um jovem indígena foi atropelado na MS-379, no distrito de Panambi. Na época, familiares do jovem denunciaram a falta de iluminação e de acostamento na via.

Outro acidente com vítima fatal aconteceu na MS-162, a Av. Guaicurus, recentemente incorporada à área urbana com o aumento do perímetro. Um jovem militar foi atropelado após tentar atravessar a via em frente ao quartel onde prestava o serviço militar.

A avenida tem um longo histórico de acidentes e teve sua duplicação, sinalização e iluminação prometidas pelo Governo do Estado. Segundo o subsecretário de comunicação do governo, Guilherme Filho, a via será duplicata "até o fim do mandato de André", ou seja, até 2014.

Assim como no caso da Avenida Guaicurus, a MS-156, no trecho onde morreu a jovem, foi incorporada ao perímetro urbano no município. Porém, o secretário municipal de Planejamento, Antônio Nogueira, afirmou que a responsabilidade sobre a via continua com a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos).

Deixe seu Comentário

Leia Também

ANAURILÂNDIA
PMA autua paranaense por construir estrada sem autorização ambiental em seu sítio no município
FRONTEIRA
Moradora acorda com barulho e encontra janelas 'furadas de bala'
BOLETIM COVID
Já faltam leitos nos hospitais da macrorregião de Campo Grande
POLÍCIA
Briga entre vizinhos termina em ameaça e homem preso com revólver