Menu
Busca sábado, 16 de janeiro de 2021

Município de Figueirão comemora o 9º aniversário neste sábado

Município de Figueirão comemora o 9º aniversário neste sábado

29 setembro 2012 - 16h50
Midiamax

A cidade de Figueirão, distante 265 km da Capital, está prestes a comemorar nove anos de história. Com uma população estimada de 4.335 mil habitantes, 2497 eleitores, 640 alunos da Rede Estadual e Municipal de Ensino.

Figueirão está entre as bacias dos rios Paraguai e do Rio Paraná. A programação de aniversário também está sendo marcada por shows musicais, como Trio Parada Dura e animação do baile fica por conta do grupo Chama Campeira. A festa terá encerramento no próximo dia 30 de setembro com cavalgada e churrasco. Conheça a história de Figueirão.

A partir de 1901 começou a ocupação territorial da área onde está localizado o Município de Figueirão, antes habitada pelos Caiapós. As famílias pioneiras que por aqui escolheram o lugar para morar são procedentes de Goiás e de Minas Gerais: Foram os Custódio, Rodovalho, Fernandes, Malaquias, Furtado, Amorim, Bercó, Geraldino, Felisbino, Santana e Albino.

Em agosto de 1935 chegou o casal Moysés Araújo Galvão e Leontina Geraldino Galvão, jovens recém casados em Coxim. Ele, Goiano de Porto Nacional, ela, sul-mato-grossense da Corrutela do Jaurú. Moysés veio lecionar, contratado pela família Albino. Em 1949 procurando solucionar algumas dificuldades principalmente referentes à educação, Moysés e Leontina iniciaram a fundação de Figueirão com a construção de um colégio Estadual que recebeu o nome de “Escola Rural Mixta de Figueirão”, inaugurado em 1950 pelo Prefeito de Camapuã Ernesto Solon Borges.

O primeiro morador foi Antônio de Sousa, o pedreiro que construiu o colégio e que no final de 1950, após o término da obra vendeu sua casa a Antônio Nunes Ferreira conhecido popularmente como (Boa Vida) que instalou nela a primeira casa comercial de Figueirão.

Aos 15 de setembro de 1952, o professor Demétrio Jorgetti Dicchoff iniciou o ano letivo com 38 alunos freqüentes. Com as atividades escolares Figueirão passou a ganhar aspectos de vila. As primeiras famílias ergueram seus ranchos, alguns estabelecimentos comerciais, destacamento de Polícia Militar e a Igreja de Nossa Senhora da Abadia, Santa que protegeu os primeiros habitantes figueirãoenses das ações revolucionárias da Coluna Prestes quando por aqui passou no dia 13 de junho de 1925 e voltou em 21 de outubro de 1926 onde estacionou suas tropas à margem esquerda do Córrego Figueirão, no Vau do Sebastião Carlos.

O Centro de Referência a Assistência Social (CRAS), foi denominado acordo com a Lei N° 0259/2012, DE 07 DE MARÇO DE 2012, Leontina Geraldino Galvão.

Na época, Leontina desempenhava um papel social, uma grande mãe que inspirava segurança e soluções aos que buscavam ajuda.

Seu lar era abrigo aos moradores que vinham tratar de saúde, assistir festas, tirar opinião com senhor Moysés e realizar comícios na época do arroz socado no pilão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BR 158
PMA autua empresa mato-grossense por derramamento de cerca de 22 mil litros de combustível
ECONOMIA
China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
RIO BRILHANTE
Polícia Civil prende suspeitos de tráfico de drogas que faziam parte organização criminosa
NOTÍCIAS
Negada indenização a comprador de veículo que não comprovou defeito em motor