Menu
Busca domingo, 17 de janeiro de 2021

Para FMI, Brasil não está entre países mais vulneráveis à China

25 julho 2012 - 16h40
Folha de São Paulo

O FMI (Fundo Monetário Internacional) avalia que o Brasil não está no rol dos países mais sensíveis à desaceleração da economia chinesa, a atual 'locomotiva' do crescimento global.


"Em resposta a uma redução de um ponto percentual no crescimento do nível de investimento na China, o efeito estimado sobre o crescimento do Chile é uma redução de dois quintos de um ponto percentual", avalia a equipe de analistas do Fundo, em relatório divulgado hoje.

"Em contraste, grandes exportadores de commodities como a Austrália e o Brasil, com economias mais diversificadas, devem sofrer declínios mais suaves em suas taxas de crescimento", acrescentam os especialistas.

O gigante asiático registrou uma de suas taxas de crescimento mais baixas no segundo trimestre, reforçando a percepção geral de que o país não vai deve repetir as impressionantes taxas de dois dígitos dos últimos anos.

Enquanto economistas avaliam se a transição da economia chinesa deve ser "brusca" ou "suave", o FMI reforçou o grupo daqueles que veem uma "aterrissagem suave", isto é, que o país vai passar a crescer a taxas de um dígito, mas ainda bastante altas.

Em um relatório divulgado hoje, o FMI projetou um crescimento econômico de "aproximadamente" 8% para o gigante asiático neste ano, ligeiramente abaixo de sua previsão anterior.

No cenário avaliado pelo Fundo, países como a Alemanha, Japão e Coreia, que se beneficiaram da expansão da atividade econômica da China como um dos maiores importadores e exportadores mundiais, teriam os piores efeitos em termos de nível de atividade doméstica.

O Brasil estaria numa faixa "intermediária", considerando os países do G20 (grupo das nações industrializadas) que mantém relações comerciais com a China.

O PIB do país sofreria a mesma redução que as economias do Canadá e da Índia, que é muito menor que o estimado para a Alemanha, Japão e Coreia.

Por outro lado, o FMI avalia efeitos bem menos drásticos para as economias da Indonésia, dos EUA e da União Europeia.

Como um dos maiores importadores mundiais, a nova fase da China deve ter impactos significativos sobre a economia de seus maiores parceiros comerciais, como os EUA, a União Europeia e emergentes como o Brasil e a Índia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CUIDADO
Janeiro Branco e os cuidados com saúde emocional em meio a uma pandemia
SELVÍRIA
Paulista é autuado por derrubada de árvores e incêndio ilegal da vegetação nativa
CORONAVÍRUS
Em 24 horas MS registra 1.316 exames positivos de Covid-19 e 13 mortes
JUSTIÇA
Senacon adotas medidas para combater comércio de vacinas falsificadas