Menu
Busca domingo, 24 de janeiro de 2021

Parentes e amigos de vítimas de acidente de trânsito defendem leis mais rigorosa

Em São Paulo, parentes e amigos de vítimas de acidente de trânsito defendem leis mais rigorosas

15 setembro 2012 - 17h00
Agência Brasil

Parentes e amigos de vítimas de acidente de trânsito fizeram no final da manhã de hoje (15) uma caminhada pela zona oeste de São Paulo pedindo leis mais rigorosas para punir motoristas que dirigem embriagados ou em alta velocidade. Eles cobraram ainda uma maior conscientização da população em relação aos perigos do trânsito.

Os manifestantes percorreram cerca de 2 quilômetros pelas avenidas Fonseca Rodrigues, Arruda Botelho e pela Marginal Pinheiros, até chegarem ao lado do prédio do Shopping Villa-Lobos, onde Miriam e Bruna Baltresca, mãe e filha, respectivamente, morreram atropeladas há cerca de um ano, em 17 de setembro de 2011.

“No ano passado, nosso objetivo era, primeiro, incomodar, falar que a gente estava aqui, abrindo o movimento, e unir todas as vítimas e familiares das vítimas do Brasil todo. O objetivo agora é chegar a 1,3 milhão de assinaturas para o nosso projeto, e aí brigar no Congresso [Nacional] para que ele vire lei”, disse Rafael Baltresca, filho de Miriam.

Ele se refere a um projeto de iniciativa popular, organizado pelo movimento Não Foi Acidente, que pretende mudar a forma de verificar se o motorista está bêbado. De acordo com a proposta, que já conta com 600 mil assinaturas, o exame de sangue e o teste do bafômetro não seriam mais necessários para constatar a embriaguez, que seria aferida por análise clínica de um médico legista ou de uma pessoa com fé pública.

Pela proposta de iniciativa popular, que pode ser assinada em www.naofoiacidente.org, casos de motoristas envolvidos em mortes no trânsito continuam sendo considerados homicídio culposo. Porém, a pena seria aumentada para 5 a 9 anos de reclusão caso fosse provada a embriaguez do motorista.

“Além da mudança nas leis, é necessário que as pessoas tenham consciência. Saem, bebem e causam acidentes e, de fato, não estão sabendo o que estão fazendo. A alteração de leis é necessária, mas a conscientização é fundamental”, disse Maria Rita Pereira, amiga de uma das vítimas.

Na caminhada, a maioria dos manifestantes vestia camiseta branca e muitos carregavam cartazes com fotos das vítimas. No local do atropelamento de Mirian e Bruna, eles colaram adesivos na forma de borboletas, para simbolizar a volta à vida.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Ainda sem aprovação do Orçamento 2021, governo deve controlar gastos
SAÚDE
Estados brasileiros começam a receber vacina de Oxford
SAÚDE
Número de casos de Covid-19 continua alto na maioria das cidades do Estado
NOTÍCIAS
Prêmio Sesc de Literatura abre inscrições para obras inéditas