Menu
Busca sábado, 08 de agosto de 2020

Pecuarista doa R$ 10 milhões para construir hospital do câncer em MS

29 agosto 2011 - 13h30
Pecuarista doa R$ 10 milhões para construir hospital do câncer em MS

G1-MS

O pecuarista Antônio Moraes dos Santos, de 88 anos, doou R$ 10 milhões para a construção de um centro de prevenção e tratamento de câncer em Campo Grande. O projeto, segundo ele, representa a realização de um sonho e ficará pronto em 2012, com capacidade para atender a demanda da cidade.

Santos tem cinco filhos, dez netos e dois bisnetos. Já foi prefeito de Dourados, cidade a 225 quilômetros de Campo Grande, na década de 50 e deputado estadual do Mato Grosso (antes da divisão do Estado em 1977). Essa, segundo ele, não é a primeira ação beneficente que faz. Entre outras iniciativas, revela que ajudou na construção do bairro Nova Lima, da creche Santa Fé e da ala masculina do Asilo São João Bosco.

Para realizar o sonho de ajudar na construção de um hospital para tratamento do câncer, em Campo Grande, Moraes disse pretendia desembolsar R$ 23 milhões em um outro projeto, mas que a obra não deu certo.

“A fundação do edifício, que teria oito andares, chegou a ser feita, mas nenhum dos prazos foram cumpridos, e então, cancelei a obra e a doação. Foi sorte do sul-mato-grossense eu ter cancelado o meu primeiro projeto. O que vamos fazer [agora] é muito acima disso ai. Não tem nem comparação. Fui atrás do melhor que existe no Brasil”, revela.

O pecuarista diz que o hospital de câncer de Barretos, referência no país no tratamento da doença, vai cuidar do construção do centro de prevenção e tratamento da doença e que depois vai administrar a instituição.

“Nós vamos trazer cinco médicos diretamente de Barretos para trabalhar em Campo Grande. Iremos construir o hospital modelo e teremos também uma unidade móvel, que percorrerá os bairros para realizar exames. O importante não é somente tratar o câncer, e sim prevenir a doença, e descobri-la em seu estágio inicial”, diz

O pecuarista revela que também vai ajudar a manter o local por pelo menos um ano. Ele calcula que a manutenção do hospital nesse período custará em torno de R$ 150 mil por mês, o que deve corresponder a uma despesa nos 12 meses de R$ 1,8 milhão.

Ajuda aos menos favorecidos
“Em toda minha vida, eu sempre procurei ajudar os menos favorecidos. Nós vamos salvar muitas vidas, e o principal, é que serão vidas de quem não teria condições de pagar pelo tratamento. Vai ser tudo de graça. Tudo pelo SUS”, afirma.

As obras, segundo ele, devem terminar em um ano. O pecuarista planeja executar um projeto semelhante em Dourados. “Não está nada certo, mas é minha pretensão, meu objetivo e minha vontade”.

“Outro dia, falaram que sou o homem mais rico de Mato Grosso do Sul. A minha maior riqueza é poder ajudar os outros, isso não tem dinheiro que pague. Eu sei trabalhar, sei ganhar dinheiro e não vou parar. Ainda pretendo fazer muito mais por Mato Grosso do Sul”, conclui.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: Fiocruz recebe R$ 100 milhões para produção de vacina
UEMS
Mestrado em Ensino em Saúde abre inscrições a aluno especial e vinculado
DOF
Quatro veículos com cigarros que vinham para Dourados são apreendidos
PONTA PORÃ
HR de Ponta Porã recebe mais 10 leitos de UTI e 40 leitos clínicos para atendimento da Covid-19