Menu
Busca domingo, 28 de fevereiro de 2021

Projeto de lei divide opiniões sobre matança de animais para prevenção de leishmaniose

30 outubro 2011 - 10h06Por Midiamax
Um projeto de lei que tramita na Câmara Federal prevê o fim da obrigatoriedade de sacrifício de animais infectados pela leishmaniose. A ideia é defendida por médicos veterinários de Campo Grande, como o coordenador da Comissão de Leishmaniose do Conselho Regional de Medicina Veterinária, André Luís Soares da Fonseca.


“Estima-se que, somente neste ano, cerca de 12 mil cães tenham sido eutanasiados na Capital, uma matança de cachorros sem necessidade, já que para prevenir que a doença seja transmitida ao ser humano é preciso fazer o controle do vetor, o mosquito flebótomo”, diz o veterinário.


O médico veterinário Cristiano Marcelo Espínola defende que é difícil para um veterinário conceber a eutanásia de cães, a não ser em estágios avançados da doença. “O animal em tratamento fica ainda com parasitas dentro do corpo, mas a carga parasitária diminui. Por esse motivo o Ministério da Saúde indica a morte do animal”, esclarece.


“Apesar disso, o animal fica menos infectivo e há medidas para controlar a transmissão da doença, como a colocação de coleiras repelentes de mosquito nos animais, limpeza de terrenos baldios e controle da população de mosquito. É uma questão complicada, porque se fosse fácil controlar mosquito não teríamos mais a dengue e nem a febre amarela”, explica.


Segundo a veterinária do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) Doutora Iara Helena Domingos, a determinação do Ministério da Saúde é eutanasiar os cachorros com a doença. “Não adianta o CCZ falar em tratamento, se a determinação do Ministério é matar. É proibido tratar um cão com leishmaniose”, disse.


A presidente de uma ONG que cuida de animais, o Abrigo dos Bichos, Maria Lúcia Metello, explica que uma ação civil pública movida desde 2007 pede o número de animais mortos pelo CCZ. “É uma caixa preta, ninguém tem acesso a esse dado, que deveria ser público para estudarmos medidas de prevenção à doença”, explica Maria Lúcia. A assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde confirma que este é um dado sigiloso da prefeitura.


Soraia Salete Esteves tem uma cachorra de dois anos que tem a leishmaniose há cerca de um ano. “O CCZ apenas ligou na minha casa comunicando que a minha cachorra tinha a doença. Eu procurei uma veterinária e faço o tratamento dela há um ano, que cura apenas os sintomas. Os pêlos pararam de cair e as feridas ficaram cicatrizadas”, disse.


Para proteger a família da doença, Soraia mantém o quintal limpo e burrifa citronela na casa e no quintal, além de usar repelente na cachorra.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUVENTUDE
Conselho Estadual da Juventude abre processo seletivo para representantes da sociedade civil
PONTA PORÃ
Polícia Militar flagra veículo transportando produtos de contrabando e descaminho
SAÚDE
Pesquisa: cepa do Amazonas do coronavírus gera mais carga viral
TEMPO
Fevereiro termina com pancadas de chuva e máxima de 36°C em Mato Grosso do Sul