Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020

Pais serão os primeiros a ser ouvidos no inquérito que apura a morte.

Criança foi soterrada na tarde de quarta e corpo foi encontrado nesta quinta.

30 dezembro 2011 - 09h54
G1 MS

A Polícia Civil começa a ouvir na segunda-feira (2), os depoimentos sobre a morte do menino Maikon Correa de Andrade, 9 anos, que morreu soterrado no lixão do bairro Dom Antônio Barbosa, em Campo Grande, nesta quarta-feira (28). Segundo o delegado responsável pelo caso, Jairo Carlos Mendes, da 5ª DP, as primeiras pessoas que serão ouvidas são os país da vítima.

O delegado diz que os dois já foram intimados, mas os depoimentos que ocorreriam nesta semana foram adiados em razão do estado emocional do pai e da mãe do menino. “Além deles, também vamos intimar todos aqueles que supostamente tenham alguma informação relevante para as investigações”, adianta.

Ainda segundo o delegado, a primeira etapa da investigação é esclarecer as causas do acidente e depois apurar as responsabilidades sobre o caso.

O acidente
O acidente no lixão ocorreu por volta das 16h30 de quarta-feira. Maikon estava no local com outras crianças para brincar, recolhendo garrafas, quando uma pilha de lixo caiu sobre eles. O Corpo de Bombeiros foi acionado pouco depois do acidente. Os socorristas tentaram cavar o local com pás, mas o lixo ameaçou ceder e o resgate teve que ser interrompido. Uma retroescavadeira foi levada ao local.

As buscas continuaram por toda a madrugada desta quinta-feira (29), sendo interrompidos no início do dia e pouco depois retomadas. O corpo da criança foi encontrado no começo da tarde.

Segundo o capitão do Corpo de Bombeiros Luiz Moreira, que comandava a equipe de busca quando o corpo foi localizado, durante o trabalho a unidade já não acreditava mais que encontraria o menino vivo.

“As chances do menino ser encontrado com vida era praticamente nula, então nosso objetivo era localizar o corpo, para que a família pudesse sepultá-lo e diminuir um pouco a sua dor”, explica.

O capitão lembrou que sem a máquina retroescavadeira as buscas poderiam demorar aproximadamente quatro dias. Moreira disse também que devido as condições do local, o processo de decomposição foi acelerado.

“Quando encontramos o menino ele tinha características de um cadáver de mais de 48 horas. Isso ocorre pelo fato do corpo ter ficado soterrado embaixo de mais de cinco metros de lixo, onde a temperatura é muito alta e a quantidade de bactérias é enorme. Então cria um ambiente onde a decomposição é acelerada”, finaliza.

“Quando encontramos o menino ele tinha características de um cadáver de mais de 48 horas. Isso ocorre pelo fato do corpo ter ficado soterrado embaixo de mais de cinco metros de lixo, onde a temperatura é muito alta e a quantidade de bactérias é enorme. Então cria um ambiente onde a decomposição é acelerada”, finaliza.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Déficit primário do Governo Central atinge R$ 3,56 bilhões em outubro
MS
Salários dos mais de 79 mil servidores estaduais será depositado nesta sexta-feira
EDUCAÇÃO
AGU: nível superior vale como comprovação em concurso para nível médio
Decisão saiu no Diário Oficial da União de hoje
NOTÍCIAS
Ozonioterapia ajuda na recuperação de onça ferida em incêndio no Pantanal