Menu
Busca segunda, 21 de setembro de 2020

Seis são denunciados por morte de índios em Mato Grosso do Sul

Seis são denunciados por morte de índios em Mato Grosso do Sul

23 novembro 2011 - 19h49Por D24am
O Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul denunciou seis pessoas, entre fazendeiros e políticos, sob acusação de matar dois índios guarani-caiovás, que faziam parte de um grupo que invadiu uma fazenda em Paranhos, próximo à fronteira com o Paraguai. O caso aconteceu em outubro de 2009.

Entre os acusados estão três filhos do dono da fazenda invadida. Também foram denunciados o vereador e presidente do Sindicato Rural de Paranhos, Moacir João Macedo (PSDB), e o ex-candidato a prefeito da cidade Joanelse Tavares Pinheiro.

Todos são acusados por homicídio qualificado sem possibilidade de defesa da vítima, ocultação de cadáver e lesão corporal contra idoso.

Segundo a denúncia, as mortes ocorreram quando um grupo formado pelos denunciados e outros homens ainda não identificados atacaram com armas de fogo o acampamento dos índios. Uma semana antes, um grupo de 50 guarani-caiovás havia invadido a fazenda São Luiz, considerada área de ocupação tradicional pela etnia.

No ataque, dois professores indígenas Jenivaldo Vera, 19, e Rolindo Vera, 29, foram mortos. O corpo de Jenivaldo foi encontrado uma semana depois da ação, com um tiro nas costas. Já o corpo de Rolindo nunca foi encontrado.

Segundo a procuradoria, um índio, à época com 89 anos, recebeu pauladas nas costas, ombros e pernas durante o ataque.

Ainda de acordo com a Procuradoria, um inquérito policial chegou a ser aberto contra os acusados, mas ninguém foi indiciado, mesmo quando seis índios identificaram os denunciados como os autores do ataque.

Insatisfeitos, os índios procuraram em outubro desde ano a Justiça Federal em Ponta Porã (MS) para protocolar uma denúncia contra os suspeitos do ataque, e o caso acabou sendo assumido pelo Ministério Público Federal.

Após a expulsão da fazenda, os índios voltaram a invadir uma área da fazenda em agosto de 2010. Dessa vez, uma decisão da Justiça Federal cassou uma ordem de reintegração de posse "até a produção de prova pericial antropológica" que confirme indícios de ocupação tradicional da região pelos guarani-caiovás.

Atualmente, os índios ocupam 80 dos 2.000 hectares da fazenda.

A reportagem entrou entrou em contato com o Sindicato Rural de Paranhos, que indicou o advogado de Moacir Macedo para comentar o caso, mas ele não foi localizado. Joanelse Tavares Pinheiro também não foi localizado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

R$ 60 MIL
Família será indenizada pela morte do filho em baile funk
JUSTIÇA
TST determina fim da greve dos Correios
NOTÍCIAS
Empresa de estúdio fotográfico é condenada por cobrança indevida
POLÍTICA
Interesses ocultos usam meio ambiente para prejudicar país, diz Heleno