Menu
Busca sábado, 06 de março de 2021

SOS Criança deve ser extinto até final do ano em MS

11 setembro 2011 - 09h21Por Correio do Estado
Crianças vítimas de maus tratos em Mato Grosso do Sul podem ficar sem o SOS Criança até o final deste ano. A previsão é de que o serviço, hoje regulado pela Secretaria Estadual de Trabalho e Assistência Social (Setas), seja extinto depois de quase 20 anos de atuação. Mas, muitas entidades como Conselhos Tutelares, Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) e a Vara da Infância e Juventude de Campo Grande estão se mobilizando na tentativa de manter o trabalho do SOS Criança. A ideia é de que toda a demanda, cerca de 180 atendimentos mês, seja absorvido diretamente pelas delegacias das cidades do Estado.

“A Secretaria de Assistência Social entende que não é de sua alçada manter esse serviço que atua junto à delegacias de polícia que são vinculadas a Secretaria de Justiça e Segurança Pública”, disse a juíza da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso de Campo Grande, Katy Braun do Prado. Sobre a possibilidade de o serviço passar para as delegacias a titular da Delegacia Especializada de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA), Regina Márcia Rodrigues de Brito Mota, acredita que não vai dar certo.

“Não temos como absorver esse trabalho porque geraria uma morosidade no atendimento da delegacia. O serviço que o SOS faz é extremamente importante para nós, porque eles têm toda uma técnica para ouvir a criança vítima de violência. Quando o menor sofre maus tratos demora até quatro horas para relatar o que aconteceu e no SOS existem psicólogos e assistente social para fazer esse trabalho”, disse.

O secretário de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, informou que já tomou conhecimento da intenção de se extinguir o SOS Criança, mas que “por falta de tempo” não conseguiu se reunir com representantes da Setas para se inteirar do assunto e decidir que providências tomar. “Enquanto eu não falar com eles esse assunto não vai prosperar. Ainda depende da minha decisão”, salientou o secretário. Hoje alguns estados como, por exemplo Cuiabá, já extinguiram o serviço do SOS Criança passando os trabalhos para a responsabilidade do município.

A diretora do SOS Criança, Marli Tonete, preferiu não falar sobre o assunto. A secretária do Trabalho e Assistência Social, Tânia Garibi, foi contatada via telefone celular, mas não retornou as ligações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ANAURILÂNDIA
PMA autua paranaense por construir estrada sem autorização ambiental em seu sítio no município
FRONTEIRA
Moradora acorda com barulho e encontra janelas 'furadas de bala'
BOLETIM COVID
Já faltam leitos nos hospitais da macrorregião de Campo Grande
POLÍCIA
Briga entre vizinhos termina em ameaça e homem preso com revólver