Menu
Busca domingo, 17 de janeiro de 2021

1ª Câmara do TCE/MS rejeita oito prestações de contas de Aparecida do Taboado e Porto Murtinho

1ª Câmara do TCE/MS rejeita oito prestações de contas de Aparecida do Taboado e Porto Murtinho

06 setembro 2012 - 13h00
Divulgação (TP)

Nesta terça-feira (04.09), durante a sessão da 1ª Câmara do Tribunal de Contas do Estado (TCE/MS), os conselheiros Iran Coelho das Neves, José Ricardo Pereira Cabral e Marisa Joaquina Monteiro Serrano, juntamente com o procurador do MPC/MS João Antônio de Oliveira Martins Júnior, analisaram um total de 57 processos, dos quais 27 foram considerados irregulares e juntos somam mais de R$ 93 mil em impugnações e 2.935 Uferms em multas.

Entre os processos irregulares, quatro são do município de Aparecida do Taboado. No processo 1827/2010, que se refere a prestação de contas do Contrato Administrativo 26/2010 para prestação de serviços de transporte de alunos da zona rural, o prefeito André Alves Ferreira não foi multado segundo a conselheira Marisa Serrano, porque já havia sido multado na primeira fase do referido contrato, conforme Decisão Simples nº 00363/2010.

No mesmo sentido os processos 1828/2010 e 1833/2010, referentes a contratação de prestação de serviços para o transporte de alunos da zona rural, a conselheira Marisa Serrano também constatou irregularidades e ilegalidades pelo prefeito André Alves Ferreira, e determinou “à Inspetoria competente para acompanhamento e verificação da segunda fase da contratação, com vistas a apurar os atos praticados no decorrer da execução financeira” nos três contratos.

O atual prefeito de Aparecida do Taboado, André Alves Ferreira ainda recebeu multa correspondente a 100 Uferms, pelo não encaminhamento de documentos solicitados na Análise Processual, relativos ao Contrato de Obra nº 029/2008 (Capa Asfáltica de Rolamento). Nesta mesma prestação de contas considerada irregular e ilegal pelo conselheiro Iran Coelho, na formalização do 1º Termo Aditivo, por ausência da cópia da Ordem de Execução e Serviços, e ainda na execução financeira, por apresentar divergência nos valores executado. O ex-prefeito Djalma Lucas Furquim recebeu multa de 200 Uferms, em face da omissão na remessa dos documentos ao TCE/MS.

Porto Murtinho - A Prefeitura de Porto Murtinho também teve quatro prestações de contas consideradas irregulares e ilegais pelos conselheiros. O prefeito Nelson Cintra somou 900 Uferms em multas. De acordo com os relatórios votos da conselheira Marisa Serrano, nos Contratos Administrativos 070/2007, 069/2007, 102/2007 e 114/2007 “a 6ª Inspetoria Geral de Controle Externo certificou a ilegalidade do procedimento licitatório e a irregularidade contratual”, em todos os processos.

A conselheira determinou “à autoridade administrativa que remeta a Corte Fiscal informações correlatas aos atos praticados na fase de execução financeira contratual, com cópia da documentação de Empenho, Liquidação e Pagamentos realizados, ou sendo o caso, de Anulação e Rescisão Contratual, sob pena de não cumprimento de Decisão”.

Após publicação no Diário Oficial Eletrônico do TCE/MS, os gestores dos respectivos órgãos jurisdicionados poderão entrar com pedido de recurso, revisão e/ou reconsideração, conforme os casos apontados nos processos.

Luiz Junot

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford
EDUCAÇÃO
Enem 2020: confira hoje a correção das provas ao vivo
BRASIL
Mesmo com vacina, vitória sobre coronavírus passa por 'mudança de comportamento social'
Antônio Barra Torres deu declaração ao abrir reunião da Anvisa que analisa pedidos de uso emergencial de duas vacinas contra Covid-19
SAÚDE
Ocupação de leitos em UTI Covid continua alta nas cinco macrorregiões do Estado