Menu
Busca sexta, 21 de setembro de 2018
(67) 9.9973-5413
REGIÃO

Câmara autoriza regularização e escrituração de 30 lotes, cujas doações foram anuladas pela Justiça

No ano passado, o Legislativo costarriquense aprovou uma lei que abriu caminho para solucionar o imbróglio provocado pela decisão judicial

13 março 2018 - 13h35Por Da redação

A Câmara de Vereadores de Costa Rica-MS aprovou o Projeto de Lei (PL) n° 1.215/2018, de autoria do prefeito Waldeli dos Santos Rosa (MDB), que autoriza a regularização das doações de 30 lotes urbanos no município. Essas doações aconteceram em 2012, no mandato do ex-prefeito Jesus Queiroz Baird, e acabaram sendo declaradas nulas pela Justiça, por conta de uma série de irregularidades apontadas na decisão judicial.

No ano passado, o Legislativo costarriquense aprovou uma lei que abriu caminho para solucionar o imbróglio provocado pela decisão judicial.

Waldeli sancionou o projeto nesta quinta-feira (08/03), que se transformou na Lei Municipal n° 1.400/2018, publicada na página 01 do Diário Oficial Online de Costa Rica, edição 2.114. A aprovação da matéria representa mais uma etapa do processo de regularização das doações afetadas por decisão judicial.

Em sentença proferida pelo juiz Marcus Abreu Magalhães, titular da 2ª Vara Cível da Comarca de Costa Rica, posteriormente confirmada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS), e mantida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), cerca de 300 doações de lotes urbanos realizadas pelo Governo Municipal no ano de 2012, no mandato do ex-prefeito Jesus Baird, principalmente nos bairros Flor do Ipê e Eldorado, foram declaradas nulas.

No processo, que tramitou em forma de ação popular, a Justiça considerou que as doações ocorreram em ano eleitoral, o que é vedado pela legislação. Além disso, as doações aconteceram sem autorização/aprovação da Câmara de Vereadores, em desrespeito à Lei Orgânica do Município, pois a matéria não passou pelo crivo do Poder Legislativo.

A decisão judicial também apontou que as doações beneficiaram pessoas com renda per capita superior a 50% do salário mínimo e que houve a doação de terrenos com mais de 500 metros quadrados de área, em flagrante desrespeito à Lei Municipal n° 945/2008, em vigor à época. Pelo texto dessa norma, o programa de doação de lotes é voltado prioritariamente para pessoas de baixa renda, com renda per capita inferior a metade do salário mínimo. Além disso, a Prefeitura só tinha autorização, pela lei, para doar terrenos com área de, no máximo, 500 metros quadrados.

O posicionamento da Justiça acabou criando um embaraço para os beneficiários dos lotes e também para o Governo Municipal. Isso porque uma vez declarada a nulidade das doações, quem recebeu um terreno teria que devolver a área para a Prefeitura. Ocorre que a maioria dos moradores contemplados construíram imóveis nos terrenos doados, seja uma casa ou mesmo um prédio comercial. Consequentemente, para o Executivo retomar os lotes, seria necessário que a Prefeitura indenizasse os beneficiários que construíram nos terrenos doados. Em simples palavras: a Prefeitura pegaria de volta um terreno, mas teria que pagar pela casa edificada, por exemplo.

Pensando em uma forma de resolver a situação sem onerar os cofres públicos e causar prejuízo aos beneficiários, o prefeito Waldeli encaminhou um projeto de lei para a Câmara de Vereadores no ano passado. A matéria foi aprovada por unanimidade de votos pelos edis costarriquenses e se transformou na Lei Municipal n° 1.372/2017, abrindo caminho para regularização das doações anuladas pela Justiça.

Com a lei, apenas os beneficiários que não construíram nenhum imóvel ou benfeitoria no lote doado terão que devolver o terreno para o município. Os demais contemplados que edificaram uma casa ou comércio ou pelo menos construíram benfeitorias mínimas no lote recebido em doação passaram a contar com condições facilitadas para regularização e escrituração do imóvel, de acordo com o previsto na norma municipal.

Para mais informações sobre o processo de regularização das doações, o cidadão pode entrar em contato com a Procuradoria Jurídica do Município, por meio do telefone (67) 3247-7095. Em breve, o Executivo deve encaminhar para aprovação da Câmara os demais casos de doações realizadas em 2012, que ainda não foram regularizadas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÊMICA
Bruna Marquezine rebate crítica após aderir campanha contra Bolsonaro
CIDADES
Mecânico morre ao ficar preso em cardam de caminhão
TACURU
Tiroteio em bar termina com homem morto e dois feridos
ENSINO SUPERIOR
Matrículas na graduação a distância é o maior desde 2008