Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020
AGRONEGÓCIO

Conselho do FCO aprova mais R$ 185 milhões em financiamentos, com destaque à suinocultura

05 agosto 2020 - 17h30Por Portal do MS

O Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO (CEIF/FCO) realizou a 8ª reunião ordinária nesta terça-feira (5) com uma extensa pauta de deliberações. A reunião foi virtual e os conselheiros aprovaram 72 propostas que pleiteiam a contratação de mais R$ 185 milhões em financiamentos pelo FCO (Fundo Constitucional do Centro-Oeste), com destaque para o setor de suinocultura que teve aprovados projetos no valor de R$ 71 milhões.

O CEIF é responsável pela aprovação de operações financeiras com recursos do FCO, linha de crédito com juros especiais voltado aos setores empresariais urbano e rural. O Conselho é integrado por representantes da indústria, comércio, agricultura, pecuária e presidido pelo secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck. Os empréstimos são operacionalizados pelo Banco do Brasil, BRDE e Sicredi.

Neste ano, já foram contratados mais de R$ 850 milhões no FCO Rural e Empresarial, e estão em tramitação processos que totalizam pelo menos R$ 900 milhões. “A demanda continua elevada tanto no Rural, que praticamente já atinge 100% do volume disponibilizado com os projetos aprovados na reunião de hoje, e também na linha Empresarial”, destacou Verruck.

Destacam-se, no setor rural, a aprovação de projetos no segmento de suinocultura, dentre unidade de produção de leitões desmamados, crechários de suínos e ampliação de produção de ração. O valor demandado chega a R$ 71.806.344,18. Na linha empresarial, o principal segmento contemplado foi o atacadista com financiamento aprovado de R$ R$ 40.104.795,77.

O secretário Jaime Verruck informou aos membros do Conselho que o pedido feito pelo colegiado para suspender a cobrança das parcelas de agosto e setembro – em virtude da situação econômica frágil por que passa o país durante a pandemia Covid-19 – foi atendido. “Basta que o cliente manifeste esse interesse, isso pode ser feito até por intermédio de aplicativo. Esses valores não serão cobrados nos meses de agosto e setembro e serão diluídos no saldo”, acrescentou.

“Essa suspensão ajuda bastante as empresas tanto no fluxo de caixa como no alongamento das parcelas e a ideia de se fazer por dois meses é justamente na expectativa de retomada de curto prazo da atividade econômica, mas o momento exige essa atenção”, ponderou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ANAURILÂNDIA
Infrator é autuado em R$ 6 mil por desmatamento ilegal de vegetação protegida para plantio de lavoura
PARAÍSO DAS ÁGUAS
Polícia Civil apreende 14kg de entorpecentes em hotel
NOTÍCIAS
Vendedores de imóvel devem restituir valor da entrada de contrato rescindido
INTERNACIONAL
Secretário-geral da ONU pede acordo global contra desigualdades