Menu
Busca quarta, 02 de dezembro de 2020

Consumidor pode poupar R$ 2 mil por ano no supermercado, diz estudo

06 setembro 2011 - 15h15
Consumidor pode poupar R$ 2 mil por ano no supermercado, diz estudo

G1

Pesquisa da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, realizada em 20 cidades de 13 estados, aponta que o consumidor pode economizar até R$ 2 mil nas compras em supermercados durante um ano, se escolher o lugar de acordo com seu perfil de compra.

De acordo com o estudo, comprar produtos com marcas líderes de mercado pode sair mais caro no final do mês. A pesquisa apontou diferença de até 200% de um mesmo produto em estados diferentes. Mas será que comprar um pouco em um supermercado, um pouco em outro compensa no fim do mês?

A economista Mara Gordin defende que o consumidor precisa fazer levantamento de preços e avlaiar se vale a pena atravessar a cidade para adquirir um produto mais barato. "Quando você sai de supermercado em supermercado, você gasta tempo, combustível, e nunca computa isso no 'barato' que você está comprando", afirma.

O aposentado Ivo Bogado descobriu um hobby: desvendar as artimanhas escondidas por trás das ofertas. Em um simples pacote de papel higiênico, por exemplo, o consumidor pode ter uma economia de 50% se observar a metragem do produto. Bogado conta que mantém uma fonte de informações: os panfletos da semana. Ele guarda todos os informativos para depois fazer o comparativo dos preços. "Comprei carne a R$ 6,90, quando o preço normal é R$ 10,30. Paguei na batatinha R$ 0,77, e no molho a R$ 0,76. Então você faz o almoço", diz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COTAÇÃO
Dólar fecha em alta nesta quarta após forte queda na terça
SAÚDE
Anvisa define requisitos para pedido de uso emergencial de vacina da Covid-19
Um dos critérios é que a vacina precisa estar em estudos clínicos de fase 3 - última etapa de testes - no Brasil
MAIS UMA CONDENAÇÃO
Chefe do tráfico na fronteira, Galã é condenado a 8 anos de prisão por lavagem de dinheiro em MS
ECONOMIA
Venda de veículos automotores aumenta 0,45% de outubro para novembro