Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020

Título Interno

15 agosto 2011 - 10h46Por Fonte: Matéria
O deputado federal Marçal Filho (PMDB), presidente da Frente Parlamentar de Apoio ao Ensino Técnico e Profissionalizante, a presidente da Comissão de Educação da Câmara Federal, Fátima Bezerra, e o deputado federal Antônio Carlos Biffi, recebem educadores, representantes de entidades de classe e setores organizados da sociedade de Campo Grande, hoje a noite, no auditório da Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems), para apresentar as diretrizes do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). “Essa iniciativa tem o objetivo de levar à capital do Estado as informações sobre esse programa que vai revolucionar o ensino técnico em todo o Brasil”, enfatiza Marçal Filho.

O deputado ressalta que a audiência desta segunda-feira é estratégica porque ainda nesta semana a presidente Dilma Rousseff vai anunciar os municípios que vão receber 120 campi dos institutos federais previstos no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. “No ato, que acontece durante o lançamento da terceira fase do programa de expansão da Rede Federal de Educação Superior, a presidente Dilma Rousseff também vai anunciar a criação de mais quatro universidades federais, sendo duas na Bahia, uma no Ceará e outra no Pará”, antecipa Marçal Filho.

O deputado ressalta que dentro do Pronatec, a presidente Dilma Rousseff ainda vai inaugurar 81 escolas que começaram a ser construídas no governo Luiz Inácio Lula da Silva. Somadas às 214 inauguradas por Lula e às 140 que funcionavam antes de 2002, a previsão é que a rede seja ampliada para 600 unidades escolares administradas pelos 38 institutos federais de Educação, Ciência e Tecnologia. “Quando a expansão estiver concluída, a rede federal atenderá a 600 mil estudantes com cursos técnicos e profissionalizantes”, conclui.

De acordo com o deputado, Mato Grosso do Sul deve ser contemplado, nesse primeiro momento, com Escolas Técnicas Federais em Dourados e Naviraí. “Na condição de presidente da Frente Parlamentar de Apoio ao Ensino Técnico e Profissionalizante vou trabalhar para levar essas unidades a outros municípios do Estado e tenho no deputado Biffi um importante aliado nesse desafio de ofertar mais cursos técnicos e profissionalizantes para os jovens sul-mato-grossenses”, enfatiza.

Marçal Filho também convidou o deputado Biffi para uma segunda audiência pública sobre o Pronatec que acontece sexta-feira em Dourados. “No evento desta segunda, em Campo Grande, teremos a presença da deputada federal Fátima Bezerra, presidente da Comissão de Educação da Câmara Federal, e na sexta-feira deveremos receber em Dourados o professor Eliezer Moreira Pacheco, secretário Nacional de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação”, anuncia o deputado.

O Pronatec vai ofertar vagas gratuitas em instituições públicas e privadas, incluindo as do “Sistema S” como Sesi, Senai, Sesc e Senac, a estudantes e trabalhadores interessados em qualificação profissional. O programa prevê, além da ampliação da rede federal, pagamento de bolsa formação para trabalhadores e estudantes, aumento das vagas gratuitas em cursos do “Sistema S” e a extensão do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para cursos técnicos.

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego foi pensado inicialmente como ferramenta para melhorar o Ensino Médio, ampliando a formação do aluno em cursos profissionalizantes integrados ao ensino regular. Mas a iniciativa vai incluir também trabalhadores interessados em qualificação profissional. Trabalhadores reincidentes no seguro-desemprego serão recrutados para participar de cursos profissionalizantes em instituições públicas ou do Sistema S.

Eles serão orientados sobre o tipo de curso e a área em que podem se capacitar. Após a matrícula, a frequência do aluno será controlada e ele só receberá o seguro-desemprego se comparecer às aulas. Já os alunos do Ensino Médio que quiserem combinar a escola com cursos profissionalizantes receberão uma bolsa formação caso não consigam uma vaga em instituição pública. O valor da bolsa vai variar de acordo com o curso escolhido. Os beneficiários serão definidos pelos sistemas estaduais de ensino e estudarão essencialmente em escolas do “Sistema S”.

Divulgação (DN)

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
BRASIL Pix poderá ser usado para recolhimento do FGTS
JUSTIÇA
Construtoras devem indenizar cliente por atraso na entrega de imóvel
COSTA RICA
Adolescente é apreendido com crack e cocaína pela Polícia Civil
POLÍTICA
Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF