Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020
ECONOMIA

Maior exportador de celulose do país, MS vê setor florestal impulsionar economia verde no Estado

18 outubro 2020 - 11h30Por Portal do MS

Mato Grosso do Sul é o 1º no ranking de exportação de celulose do país, é o 3º em área de florestas plantadas, com cinco municípios entre os 10 no ranking dos maiores produtores, além do melhor desempenho municipal em valor da produção do setor, em Três Lagoas.

Essa expansão e desempenho da cadeia produtiva de florestas plantadas nos últimos anos no Estado têm demonstrado a sua importância na diversificação da economia sul-mato-grossense, na geração de emprego e renda e na consolidação da política de desenvolvimento sustentável do Governo do Estado, impulsionando a economia verde, de baixo carbono.

A base florestal sul-mato-grossense representa atualmente 7% do PIB estadual, com uma receita bruta de cerca de R$ 10 bilhões, considerando florestas plantadas, móveis e produção de celulose, segundo os dados de 2019 do IBGE. Os segmentos de floresta e a respectiva indústria, são responsáveis por cerca de 12 mil empregos, sendo 5,5 mil na fabricação de celulose, conforme Nota Técnica da Celulose, elaborada pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar). “Desse total de 7% do PIB, 51,56% é gerado pela produção de celulose, sendo a produção da base florestal responsável por 47,74%. A diferença restante é gerada por outros setores ainda pouco representativos”, comenta o secretário Jaime Verruck, da Semagro.

Enquanto nas demais regiões do Brasil a indústria de celulose vende mais para o mercado interno do que para o exterior, em Mato Grosso do Sul as indústrias instaladas são voltadas totalmente para o processo de exportação. “Somente no ano de 2019, a celulose representou 38% de tudo o que nós exportamos em Mato Grosso do Sul, com cerca de US$ 2 dois bilhões em operações. Isso coloca Mato Grosso do Sul em 1º lugar na exportação de celulose do Brasil, com 21% da pauta nacional, seguido por São Paulo com 16%. Desse total exportado pelo Estado, 61,05% é voltado para o mercado chinês”, acrescenta o titular da Semagro.