Menu
Busca sexta, 14 de agosto de 2020
NOTÍCIAS

Negada indenização a vizinho por não comprovar ofensas

07 julho 2020 - 13h00Por TJMS

Sentença proferida pela 3ª Vara Cível de Três Lagoas julgou improcedente a Ação de Indenização por Dano Moral movida pelo autor contra sua vizinha, por não existirem provas de ofensas, intimidações e de outros atos ilícitos praticados pela parte requerida.

Narra que no dia 22 de fevereiro de 2018 a requerida foi até a residência do autor e, na presença de sua genitora e de sua irmã, acusou-o de ter atirado pedra no portão de sua casa, ameaçando-o com a seguinte frase: “Seu filho pode ser preso, por ir para a Febem, contratei uns caras para bater nele e depois vou chamar a polícia”.

Afirma ainda que, posteriormente, a requerida retornou à sua residência e, diante da mãe e irmã do autor, acusou-o de ter subtraído um aparelho celular de pessoa desconhecida, ocasião em que negou a prática de tais fatos. O autor afirma que dirigiu-se à Delegacia de Polícia para registrar Boletim de Ocorrência sobre o caso.

Por fim, relata que sofreu ameaça de agressão da requerida, tendo a sua honra objetiva abalada, ante a imputação falsa de subtração de aparelho celular de pessoa desconhecida, alegando a caracterização do dano moral, pugnando pela condenação da requerida à indenização por danos morais no valor de R$14.310,00.

Em sua defesa, a requerida alegou que por cerca de três meses, junto a seus vizinhos, sofreu transtornos quase todos os dias pela manhã, pois algumas crianças passavam em frente a sua casa, após a saída da escola, e jogavam pedras nos portões.

Asseverou que sua funcionária tentou descobrir quem eram as pessoas que atiravam as pedras, mas estas saíam correndo. Já no dia 22 de fevereiro, a requerida ficou escondida perto de sua casa e viu o momento que o autor e mais dois amigos jogaram as pedras nos portões.

A requerida acompanhou o adolescente até a sua casa, chamando sua mãe para explicar o que estava ocorrendo, quando esta informou que não tinha conhecimento e que tal fato não iria mais ocorrer. Frisou ainda que no local estavam apenas o autor e sua mãe e, após os fatos, as partes registraram boletim de ocorrência.

Contou ainda que, após a referida conversa, não teve mais problemas com o arremesso de pedras em seu portão ou de seus vizinhos. Por fim, narrou que o dano sofrido pelo autor não restou comprovado, pedindo pela improcedência do pedido inicial.

Em análise dos autos, o juiz Anderson Royer verificou que a parte autora juntou apenas documentos que comprovam a conversa entre a requerida e a mãe do autor, não sendo comprovadas as ofensas proferidas ou a acusação de furto capazes de ensejarem uma reparação moral.

“Em nenhum momento demonstra os fatos afirmados na inicial, não tendo a requerida afirmado que o autor poderia ser preso ou acusando-o do furto de um celular, sendo demonstrado apenas a ocorrência de uma conversa pacífica e sem insultos, como bem assinalado pelo órgão ministerial em seu parecer, o qual pugnou pela improcedência da ação”, destacou.

O magistrado ressalta ainda que caberia à parte autora provar fato constitutivo do seu direito, juntando aos autos conjunto probatório que permitam a existência de ato ilícito praticado pela parte requerida, o que não existiu. Desse modo, pontuou que tal pretensão não merece acolhida, pois não existiu prova da materialidade de ato ilícito praticado pela parte requerida.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
Polícia Militar Ambiental e IBAMA fecham local de rinha, autuam proprietário em R$ 7 mil por maus-tratos e apreendem 4 galos de briga e uma ave silvestre
HOMICÍDIO QUALIFICADO
Motoentregador é morto a tiros em Campo Grande e suspeito é um colega de trabalho
Crime aconteceu na noite de quinta-feira (13), no local de serviço dos envolvidos.
ECONOMIA
Caixa credita auxílio emergencial para 4,1 milhões nascidos em agosto
LOTERIA
Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 27 milhões