Menu
Busca sexta, 20 de setembro de 2019
DOURADOS

Universitários criticam MEC e veem intervenção na UFGD na escolha de Reitora

12 junho 2019 - 09h45Por Gizele Almeida/Dourados News

Após a designação da pedagoga Mirlene Ferreira Macedo Damázio como reitora interina da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), o DCE (Diretório Central de estudantes) da UFGD emitiu nota criticando e alegando “intervenção do MEC (Ministério da Educação) na autonomia da universidade”. A classe estudantil também é convocada a debater o tema. Conforme mostrado pelo Dourados News, a definição do ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi divulgada nesta terça-feira (11), no Diário Oficial da União.

Na divulgação, em página oficial do DCE-UFGD os estudantes apontam que o Ministério da Educação “anunciava suas pretensões de interferência na autonomia universitária” questionando a Lista Tríplice realizada para escolha da nova gestão.

Na épocal, o Ministério da Educação havia encaminhado à UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) uma portaria com acusações de irregularidade na lista de nomes sugeridos para compor a reitoria no quadriênio 2019-2023,com pedido de que fossem incluídos os nomes de quem disputou a consulta pública. Na lista enviada constava apenas o nome do vencedor da consulta pública (Etiene Biasotto), sendo que os derrotados não se inscreverem no processo oficial, junto ao Colégio Eleitoral da universidade, por conta de "acordo".  

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) anulou a lista tríplice para reitoria da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). A corte reforçou a consideração do Ministério Público Federal, que avaliou como antiético e contrário à lei e a moralidade administrativa, o posicionamento dos candidatos em disputa.

A Lista Tríplice continua em suspenso aguardando uma decisão final da justiça.

Para o DCE, a nomeação de Mirlene Damázio ocorreu “da pior forma possível”. A nota cita a nomeação via portaria do MEC, sem a decisão ter passado por discussão em órgão colegiado da universidade. Diante disso, apontam a ação como  “intervenção do Ministério da Educação na autonomia universitária da UFGD”.

A divulgação aponta ainda ao fato de que a professora nomeada não participou da Consulta Prévia, não está na Lista Tríplice e apoiou publicamente uma das chapas candidatas na Consulta Prévia.

É citada ainda a tentativa de deslegitimar a escolha feita pela comum idade acadêmica, com postura desonesta de setores.
O DCE critica ainda enfaticamente a medida do MEC, ao apontar que “o cenário local se insere num contexto nacional de ataques à educação pública e às universidades por parte do governo Bolsonaro e do Ministro da Educação, Abraham Weintraub”.

Estudantes devem se reunir nesta terça-feira (11), às 17h, em Assembleia para debater o tema e também ações para o movimento Greve Geral da Classe Trabalhadora, no dia 14 de junho.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Bolsonaro pode abrir crise com Congresso se vetar novas regras eleitorais
CONDIÇÃO DE RÉU
Juiz nega pedido do ex-presidente Temer para viajar à Inglaterra
CAMPO GRANDE
Motorista de aplicativo que estava desaparecido é encontrado morto
BRASIL
Senado questionará ação da PF em gabinete de líder do governo