Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020

Turistas brasileiros são presos no Paraguai e denunciam ilegalidade e extorsão

Turistas brasileiros são presos no Paraguai e denunciam ilegalidade e extorsão

19 maio 2016 - 08h30Por Correio do Estado
Quatro turistas brasileiros, sendo três homens e uma mulher, foram presos no Paraguai e alegam que a abordagem foi ilegal. O grupo é de Várzea Grande (MT) e visitava Pedro Juan Cababello para fazer compras.

Rodrigo Estevan, Ricardo Pereira Gonçalves, Gilson Santos e Jaqueline Martins chegaram ao município, que faz fronteira com Ponta Porã, na sexta-feira (13) para visitar parentes de um deles e comemorar o Dia das Mães, que foi celebrado domingo no Paraguai. Na segunda-feira (16), eles fariam compras e retornariam para Mato Grosso.

Antes de retornar, o grupo circulava pela periferia de Pedro Juan Caballero, no bairro San Geraldo, quando foram abordados por uma viatura do setor de investigações da Polícia Nacional. Os policiais estavam em uma caminhonete S-10, sem placas e descaracterizada.

Os documentos pessoais e do veículo foram checados e os turistas foram levados para a sede do serviço de investigações sob alegação que não tinham autorização para estar em território paraguaio e o veículo supostamente apresentava problemas na documentação e irregularidades no chassi.

Segundo informações do Jornal Regional, os policias paraguaios cobraram R$ 12 mil para liberar os turistas sem a intervenção do Judiciário Paraguaio, dizendo que caso acionados, o grupo teria problemas por conta de estarem ilegais no país.

Segundo os mato-grossenses, como não tinham o valor exigido, os policiais reduziram para R$ 7 mil o valor pedido para liberá-los.

"Se tivéssemos esse dinheiro, não estaríamos aqui para fazer compras e levar para vender em nossa cidade. Não temos nada contra nós, nossa documentação está certa, do carro também, enfim, não cometemos nenhum delito e estamos aqui, presos", disse Gilson dos Santos.

O advogado que representa os brasileiros, Emerson Dutra, disse ao Jornal Regional que os próprios policiais que afirmaram que havia adulteração no número do chassi, foram responsáveis também pela perícia feita no automóvel.

Na manhã de ontem, equipe de reportagem da rádio Amambay 570 AM estava na sede do serviço de investigações para cobrir apreensão de droga de outro brasileiro, que também acusava a polícia de extorsão, quando os turistas os abordaram e contaram o drama que estavam passando para serem liberados.

O caso chegou ao conhecimento do senador Robert Acevedo, que tomou providências para a liberação. No meio da manhã, o grupo já estava na sede da Fiscalia (promotoria) onde prestaram depoimento e relataram o ocorrido.

Peritos da Fiscalia realizaram perícia na numeração do chassi e nada de irregular foi constatado. A Fiscalia emitiu, no fim da tarde de ontem, a soltura do grupo, pois nada constou para manter presos os quatro brasileiros que foram ilegalmente detidos pelo serviço de investigações em Pedro Juan Caballero.



O Jornal Regional entrou em contato com o chefe do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MS) em Ponta Porã, Roberto Carlos Ferreira, para fazer a consulta do veículo. A informação foi que o veículo estava em situação regular para circulação. Já no serviço do Infoseg, onde é possível verificar a procedência e situação do veículo, o automóvel também consta como regular.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Pandemia mostrou que o Judiciário pode mudar, diz ministra
MAUS-TRATOS AO ANIMAL
Polícia Militar Ambiental de Aquidauana autua em R$ 3 mil infrator preso por Policiais Militares por matar cachorro alheio a pauladas
ECONOMIA
Déficit primário do Governo Central atinge R$76,16 bilhões em setembro
SEMANA DO SERVIDOR
Por meio virtual, Escolagov entrega XV Prêmio na Gestão Pública