Menu
Busca quinta, 27 de junho de 2019
OPERAÇÃO THEMIS

Alvo do Gaeco é preso em flagrante com munições

14 janeiro 2019 - 14h00Por Luiz Guilherme

Preso na manhã desta segunda-feira (14/1), durante a Operação Themis, desencadeada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) Jefferson Nogueira Gomes, de 34 anos. Ele estava com munições. 

Conforme noticiado pelo Conesul News, a ação que acontece em Campo Grande, Três Lagoas e também Ponta Porã, tem o objetivo de combater crimes como organização criminosa, tráfico de drogas e coação em processo judicial. 

De acordo com o Campo Grande News, Jefferson é um dos 17 alvos de busca e apreensão, e o mandado foi cumprido na casa dele, no bairro Jardim das Violetas, em Três Lagoas, logo nas primeiras horas do dia. Ainda segundo o site, também foram presos Michel dos Reis, Herick Lourenço e Tatiana Barroso. O local onde o trio foi localizado não foi divulgado pelo Gaeco.

Durante as buscas, os policiais encontraram no bolso de um blazer, guardado dentro de uma bolsa de viagem no quarto de Jefferson, algumas munições. 

A “tropa de elite” do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), junto com o Batalhão de Choque, a Corregedoria da PM (Polícia Militar) e o setor de inteligência da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), foram às ruas das três cidades para cumprir três mandados de prisão e 17 de busca e apreensão.

Por volta de 13h, o Gaeco informou que durante o cumprimento dos mandados de busca foram apreendidas drogas.

A operação

A Deusa da Justiça (Themis) tem sua origem na mitologia grega. Ela é descrita como “de bom conselho”, e é a personificação da ordem, da lei e protetora dos oprimidos. Themis é hoje a imagem que ilustra as grandes decisões judiciais.

*Matéria alterada às 16h para acréscimo de informação.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO MS
Projeto em MS quer conscientizar uso de água
INFLUENZA
Gripe volta a matar e dois novos óbitos são registrados em MS
BRASIL
CCJ do Senado aprova texto que criminaliza abuso de autoridade
OPERAÇÃO KRIMOJ
Facção abrigava parentes de presos e ‘irmãos’ em casas e mansão na Capital