Menu
Busca terça, 11 de agosto de 2020

Apreensão de contrabando bate recorde este ano

09 setembro 2011 - 13h30
Apreensão de contrabando bate recorde este ano

Folha.com

As apreensões de mercadorias irregulares feitas pela Receita Federal em portos, aeroportos, região de fronteira e fiscalizações de importações de empresas em geral cresceram 23,29% no primeiro semestre deste ano em comparação com 2010 e alcançaram R$ 828,89 milhões, incluindo as multas aplicadas.


O valor, segundo o sub-secretário de aduana e relações internacionais da Receita, Ernani Checcuci, é recorde e foi puxado pelas importações declaradas por empresas, mas feitas de forma fraudulenta. "Temos batido recordes semestrais de apreensão e destruição [de produtos] nos últimos três anos", afirmou Checcuci.


A Receita intensificou a atuação dos fiscais e elevou em 16% as apreensões no momento em que os produtos cruzam a fronteira. No entanto, foi da fiscalização nas importações declaradas por companhias que operam no país (tecnicamente chamadas de despacho) que vieram as maiores apreensões. No total, foram R$ 663,4 milhões em produtos, um crescimento de 25% em comparação com o primeiro semestre de 2010.


Nas ações de fronteira, o destaque, segundo o secretário, continua a entrada no Brasil via Paraguai. Produtos como munição para armamento, bolsas e acessórios, relógios, cigarros, brinquedos, bebidas, veículos, medicamentos, CD's e DVD's são os mais contrabandeados. A única queda verificada foi em produtos eletrônicos (-35,64%).


No caso específico de cigarros --que terá sua tributação elevada a partir do ano que vem-- as apreensões de 81,6 milhões de maços (1,5 bilhão de cigarros) representam cerca de R$ 80 milhões em impostos que deixaram de ser recolhidos.


"A expectativa é que haja maior interesse econômico para trazer essa mercadoria de forma irregular [por causa do aumento da tributação], mas vamos tomar as ações necessárias para coibir", disse Checcuci.


As apreensões de munições foram as que mais cresceram: 455%, somando 16,4 mil unidades. Segundo o secretário, os produtos apreendidos são destruídos, leiloados, doados ou incorporados ao serviço público, como é o caso de veículos.


Auditorias


Além das fiscalização nas fronteiras e nas declarações de importações, a Receita também intensificou as auditorias diretamente nas empresas. Segundo o secretário, a Receita tem cinco anos para verificar a legalidade das importações realizadas.


O foco é checar principalmente se setores econômicos que se beneficiam de isenções fiscais ou redução de impostos estão de acordo com as normas. É o caso, por exemplo, de exportadores que precisam importar determinados componentes para produzir e, somente depois, exportar.


"Abrimos 688 processos para detectar irregularidades e 598 tiveram resultado [positivo]", explicou o secretário. Com isso, se conseguir cobrar todo imposto sonegado, a Receita reforçará seus cofres com R$ 2,945 bilhões. Mas para isso há um longo caminho, que inclui brigas na justiça.


Outros R$ 62,5 milhões em mercadorias estão retidos nos portos para fiscalização da Receita por causa de graves suspeitas de fraudes. São 7,5 mil toneladas em produtos que aguardam um parecer dos fiscais e incluem desde sapatos, roupas, imãs, produtos óticos. A grande suspeita nesses casos (47%) é de declaração falsa de origem.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Congresso marca três reuniões para analisar todos vetos presidenciais
MATO GROSSO DO SUL
Governo divulga resultado preliminar de processo seletivo para área da saúde
GERAL
Anvisa quer reforçar medidas contra covid-19 em aeroportos e aeronaves
ANTÔNIO JOÃO
Polícia Civil prende foragido da justiça procurado pela prática de falsidade ideológica