Menu
Busca quarta, 21 de outubro de 2020
Embriaguez ao volante

Delegado diz que não tinha efetivo para ir a hospital prender Loubet

28 junho 2016 - 08h30Por Campo Grande News
Falta de policiais e diferentes interpretações da lei são os motivos alegados pelo delegado Carlos Eduardo Trevelin Millan, de Sidrolândia, por não ter prendido em flagrante o cantor sertanejo Loubet, que, bêbado, dormiu no volante de sua Ranger e só parou quando a caminhonete bateu em um barranco, já na margem da BR-060.

O registro da PRF (Polícia Rodoviária Federal) constatou 0,64mg de álcool por litro de sangue no teste do bafômetro, enquanto o aceitável é até 0,05mg/l. Mesmo assim, Loubet foi atendido em um hospital no município, a 70 km de Campo Grande, e, depois, viajou para a casa, na Capital.

A confirmação de presença do álcool no sangue do cantor, conforme o delegado, não é elemento suficiente para prendê-lo em flagrante por direção perigosa. "No acidente ele se feriu e precisou ir para o hospital. Nesse caso, atrapalha um pouco o nosso trabalho, porque precisamos constatar a falta de capacidade psicomotora para dirigir, não só o teste do bafômetro. E como ele pode ter sido medicado no hospital, poderia atrapalhar nesse caso", explicou.

Não bastasse isso, o delegado joga a culpa na falta de efetivo em sua delegacia. Trevelin disse que aguardava Loubet se apresentar à polícia após ter alta do hospital, o que não ocorreu.

"Na situação dele, como foi internado e não foi nos apresentado na delegacia, dificulta o trabalho. E nesse caso depende muito da disponibilidade de pessoal, por isso ficamos aguardando a apresentação. Agora ele será convocado para ser ouvido nos próximos dias. Uma outra pessoa que presenciou o acidente também deve vir prestar depoimento", disse o delegado.

Mesmo "escapando" da prisão em flagrante, Loubet ainda terá de pagar multa de R$ 1.915,00, além de ter a CNH suspensa por um ano. Segundo a PRF, cabia à Polícia Civil efetuar a prisão do cantor após a liberação médica, o que não ocorreu.

O caso foi registrado como direção perigosa e dirigir sob influência de álcool, o que deve ser mais investigado, conforme o delegado. "Vamos pegar o prontuário médico de atendimento e verificar se existe algum elemento que apareça nos exames e comprove que ele não tinha capacidade psicomotora para dirigir. Se em depoimento ele confesse que bebeu e pegou a estrada e dependendo das circunstâncias isso tenha gerado risco a outros motoristas, poderia até alterar a tipificação do crime e se transformar em uma espécie de tentativa de homicídio doloso, mas tudo isso deve ser analisado com calma durante o inquérito policial", concluiu.

Acidente - Por volta das 6h30, na altura do quilômetro 396, perto de Sidrolândia, Loubet invadiu o lado contrário da pista e foi parar na ribanceira. A caminhonete Ranger que dirigia não teve danos aparentes, nem o cantor saiu ferido. Um motorista que passava pelo local fez vídeos momentos após o acidente e diz que, "por pouco", Loubet não atingiu o veículo onde ele estava.

No hospital, a informação é de que o cantor foi liberado por volta das 11h30, porque ficou um tempo em observação. Segundo o empresário do cantor, conhecido como Badeco, ele não deveria ter dirigido depois de dias de agenda exaustiva. Loubet esteve ontem em Nioaque para show em uma rádio da cidade.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
MEC discute novas formas de avaliar ensino superior
PIX
Procon pede explicações a Mercado Pago e NuBank sobre cadastros
Clientes dizem que foram cadastrados sem autorização
GERAL
Huawei avança em energia solar no Brasil e mira em baterias
INTERNACIONAL
EUA pedem que Brasil "mantenha olhar crítico" sobre a China