Menu
Busca domingo, 31 de maio de 2020
EM DOURADOS

Em nova fase da Operação Pregão, Gaeco cumpre 5 mandados de prisão em prefeitura

14 março 2019 - 08h45Por Da Redação

A terceira fase da Operação Pregão, desencadeada nesta quinta-feira (14/3), em Dourados e Campo Grande, cumpre cinco mandados de prisão e oito de busca e apreensão, conforme informa o Ministério Público Estadual.

Segundo o Dourados News, há pouco, policiais do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) deixaram o CAM (Centro Administrativo Municipal). 

Ainda não há informações de quem seriam os alvos. Os mandados foram expedidos pelo juiz Luiz Alberto de Moura Filho, da 1ª Vara Criminal de Dourados.

A Operação Pregão foi desencadeada pela primeira vez no dia 31 de outubro de 2018. Na ocasião, o ex-secretário de Fazenda, João Fava Neto, a vereadora afastada e ex-secretária de Educação, Denize Portollan (PR), servidores públicos e empresários acabaram presos. 

Já a segunda fase mirou o ex-contador da prefeitura, Rosenildo França e a mulher dele. 

Pregão

O objetivo das investigações que resultaram na Operação Pregão é esclarecer a atuação de uma suposta organização criminosa composta por agentes públicos, políticos e empresários, visando à prática de diversos crimes, incluindo fraude em licitação, dispensa indevida de licitação, falsificação de documentos e advocacia administrativa. 

As ações ocorriam através de fraudes em licitações e contratos públicos, praticados, em tese, durante a atual gestão municipal. 

O nome da operação “Pregão” refere-se à modalidade de procedimento licitatório mais utilizada pelos investigados em sua atuação. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ACIDENTE
Jovem fica em estado grave ao ser atingido por motorista bêbado em MS; carro dele vai parar em caçamba
PARALISIA
Do quarto 554 para novo lar: criança com paralisia cerebral é adotada e levada de MS para outro estado
INTERNACIONAL
EUA anunciam mais US$ 6 mi para ajudar Brasil no combate à pandemia
MÚSICA
Cantor e compositor Evaldo Gouveia morre de Covid-19 no Ceará