Menu
Busca sábado, 23 de janeiro de 2021

Empresário nega morte de tatuador e afirma não acreditar em traição

Empresário nega morte de tatuador e afirma não acreditar em traição

11 setembro 2012 - 14h40
Campograndenews


“Eu tenho a convicção certa de que eu não pratiquei este crime”. Com esta frase, em interrogatório durante júri popular realizado nesta terça-feira, o empresário Miguel Bacargi Filho reafirmou inocência no assassinato de tatuador Luciano Estevão dos Santos, o Johnny, ocorrido no dia 25 de março de 2008, em Campo Grande.

O tatuador estava em seu estúdio, quando um homem entrou no local e o mandou ficar deitado de barriga para baixo. O homem atirou em Jhonny, que morreu no local.

Investigações da Polícia Civil indicam que o tatuador foi morto porque teve relacionamento amoroso com Natashi Vilhalva Gomes Bacargi, esposa de Miguel Bacargi à época. Segundo apurou a Polícia Civil, o empresário foi avisado do caso pela namorada do tatuador.

No comércio de Miguel Bacargi foram apreendidos bilhetes e até uma carta que ele escreveu para a esposa, que indicava que ele sabia do relacionamento e pensava em tomar providências. Na fazenda dele a Polícia apreendeu armas calibre 22 e munições de calibre 38, o mesmo dos tiros que mataram Johnny.

O empresário chegou a ser preso, apontado como mandante do crime, e solto por determinação judicial. O policial civil Celino Antonio Cabral foi denunciado por intermediar a contratação do executor, mas, acabou impronunciado por falta de provas. A Polícia não chegou até o executor.

Miguel Bacargi é julgado por homicídio doloso qualificado pelo motivo torpe e pela utilização do recurso que dificultou a defesa da vítima. A defesa aponta que não há provas que apontem o empresário como mandante do assassinato. O MPE (Ministério Público Estadual) afirma que foi Miguel quem mandou matar o tatuador.

Interrogado- Em interrogatório durante o julgamento, o empresário disse que a namorada do tatuador o mandou carta contando do suposto relacionamento e depois ele a procurou por e-mail e ambos tiveram alguns contatos telefônicos.

Miguel Bacargi afirmou que acredita não ter havido traição e que soube que a esposa conhecia o tatuador da academia, que ela esteve três vezes no estúdio dele e que chegaram a tirar foto juntos. “Ela disse que tinha tirado a foto na academia, mas que esta poderia ter sido modificada”. “Não acredito no relacionamento [caso extra-conjugal]. Não consegui identificar nada”, falou.

O empresário também relatou que Natashi dizia que pessoas queriam acabar com relacionamento deles e que ela foi ao estúdio do tatuador para levar a irmã para conhecer o local e “ nas outras duas vezes ela foi para pedir para ele parar de importunar ela”.

Segundo Miguel Bacargi, ele e Natashi ficaram casados por 12 anos e estão separados há dois. “Era um relacionamento muito bom, equilibrado, sem nenhum problema até chegar essa denúncia”, disse.

No entanto, a mulher passou a sair mais de casa depois que começou a frequentar academia de ginástica e a estudar. “Ela saía muito. Ia ficando mais sábia, mais aprendizada”, falou Miguel, que explicou ao MPE que se casou com Natashi quando ela tinha 15 anos e depois ela passou a sair mais.

As provas contra o empresário que constam no processo são resultados de buscas e apreensões, relatos de testemunhas, perícias em telefones, computadores e exames grafotécnicos.

O júri popular é composto por quatro mulheres e três homens. Atua na acusação o promotor de Justiça Fernando Martins Zaupa e, na acusação, os advogados José Roberto Rodrigues da Rosa e Valdir Custódio da Silva. O julgamento é presidido pelo juiz Aluízio Pereira dos Santos, em substituição na 1ª Vara do Tribunal do Júri.

?

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
PONTA PORÃ
Após tentativa de homicídio, Polícia Militar apreende submetralhadora 9mm
SAÚDE
Boletim Covid-19 deste sábado registra óbitos em 12 municípios
REGIÃO
PMA autua dois em R$ 3 mil por abandonar cachorro em estrada