Menu
Busca terça, 26 de janeiro de 2021

Empresário vai a júri hoje pela morte de tatuador; defesa tenta absolvição

11 setembro 2012 - 00h00Por Fonte: CGNews
A defesa do empresário Miguel Bacargi Filho, acusado de mandar matar o tatuador Luciano Estevão dos Santos, o Johnny, no dia março de 25 de março de 2011, vai pedir a absolvição alegando não existir provas contra o réu. O júri popular está sendo realizado nesta manhã 1ª Vara do Tribunal do Júri, em Campo Grande.

“Li todo o processo de 1.200 laudas. Não existe prova contra o empresário”, afirma o advogado José Roberto Rodrigues da Rosa, que entrou no caso há cerca de 15 dias, após o julgamento ser adiado duas vezes por solicitação do advogado Valdir Custódio da Silva e do juiz Alexandre Ito determinar que mais um advogado fosse colocado no caso.

Além disso, o juiz afirmou que iria decretar a prisão de Miguel Bacargi caso houvesse novo pedido de adiamento.

De acordo com o advogado, a acusação contra o empresário é por conta de supostas traições que ocorrem um ano antes do crime, quando a esposa de Miguel teria se envolvido com o tatuador. “Mas não há prova dessa traição. Não existe um único fato que leve a autoria do crime”, diz.

Ele contesta o fato de “nem de perto se chegou ao executor do crime, só chegaram até o suposto mandante, o empresário”. O tatuador foi atingido por tiros em seu estúdio.

A defesa também lembra que “o acusado de ser o intermediário, o policial aposentado Celino Antônio Cabral, foi absolvido por falta de indícios que tenha participado do homicídio e o Ministério Público nem recorreu”.

Durante o julgamento, a defesa diz que vai trabalhar para “clarear as provas”, pois “quem tem que plantar a dúvida é a acusação”.

Mas José faz questão de frisar que é um júri difícil por conta da repercussão do crime, mas tranquilo quanto as provas que não existem.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Brasil tem quase 30 mil novos casos de hanseníase por ano
CONTRABANDO E CRIME AMBIENTAL
Goiano é autuado pela PMA e preso por Policiais Militares com agrotóxicos do Paraguai
JUSTIÇA
Estudante que ficou três anos sem diploma será indenizada
CASSILÂNDIA
Polícia Militar prende mulher por agredir marido