Menu
Busca quarta, 19 de dezembro de 2018
(67) 9.9973-5413
BANNER 1
CAMPO GRANDE

Espancada na escola, criança morre 7 dias depois em hospital

06 dezembro 2018 - 16h15Por Da redação

Uma semana depois de ser agredida por três colegas da escola Lino Villachá, no Bairro Nova Lima, Gabriela Ximenes Souza, de 10 anos, morreu na Santa Casa de Campo Grande na manhã desta quinta-feira (6/12). As agressoras, de acordo com o Campo Grande News, são duas adolescentes de 14 anos e uma criança de 10 anos, que estuda no quarto ano do ensino fundamental, na mesma turma da vítima.

A agressão aconteceu no dia 29, na saída das aulas, fora da escola, que tem mil alunos. A criança foi levada para  Santa Casa, ficou em observação e foi liberada. Segundo o relato da família, tinha dores na coluna e no quadril.

No dia 4, ainda conforme a informação prestada à Polícia Civil pelos familiares, Gabriela voltou a sentir dores e foi levada primeiro para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Bairro Coronel Antonino, passou pelo CEM (Centro de Especializado Municipal) e depois voltou para a Santa Casa. Lá, ficou internada, passou por procedimento cirúrgico pela equipe de ortopedia, e acabou falecendo às 6h25 desta quinta-feira.

Embora tenha ocorrido há uma semana, só hoje o caso foi registrado na Polícia Civil, depois da morte. O delegado José Roberto de Oliveira Junior informou que, embora tudo indique que o óbito tenha relação com a agressão na escola, é preciso investigar e por isso o registro foi como "morte a esclarecer".

Uma das dúvidas, explicou, é se a liberação pelo hospital piorou o quadro. A unidade de saúde informou que a criança tinha vários sinais de espancamento e que passou por exames como tomografia, foi medicada e quando saiu, estava caminhando normalmente.

De acordo com o delegado, a Depac Centro fez o boletim de ocorrência, mas a investigação vai ficar a cargo da Deaij (Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude), responsável por infrações envolvendo crianças e adolescentes. 

A escola é estadual. A assessoria de imprensa informou que, embora tenha acontecido fora das dependências, a Secretaria Estadual de Educação acompanha o caso. Por envolver adolescentes e crianças, os nomes das agressoras são preservados por imposição do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Em 2017, apenas 2,5% dos cursos de graduação tiveram nota máxima
EMPREGO
Funtrab recadastra indígenas para trabalhar na colheita de maçã em SC e RS
MATO GROSSO DO SUL
Deputados aprovam salário de R$ 35,46 mil ao governador do Estado
ECONOMIA
Produção industrial de MS segue em elevação no mês de novembro