Menu
Busca quarta, 05 de agosto de 2020

Justiça manda soltar acusado de envolvimento na morte de Marielly

20 setembro 2011 - 14h10

Justiça manda soltar acusado de envolvimento na morte de Marielly


Midiamax


A 1ª Turma Criminal do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) mandou soltar na tarde desta segunda-feira (19) Hugleice da Silva, acusado de envolvimento na morte de sua cunhada Marielly Barbosa Rodrigues, de 19 anos. O alvará foi concedido por unanimidade.

Já o habeas corpus do enfermeiro Jodimar Ximenes, acusado de realizar o aborto malsucedido na jovem, será julgado no próximo dia 26.

Esse foi o segundo HC impetrado pela defesa. No mês passado, os acusados tiveram a liberdade negada pela desembargadora Marilza Lúcia Fortes, que concedeu hoje o alvará de soltura.

Marielly morreu dia 21 de maio, no dia em que desapareceu, em consequência de um aborto malsucedido. Hugleice, cunhado da jovem, confessou que a levou à casa do enfermeiro Jodimar, em Sidrolândia, para fazer o aborto. Como a moça morreu durante o procedimento, os dois abandonaram o corpo em um canavial. Hugleice confirmou também à polícia que manteve relações sexuais com a cunhada.

Embora negue conhecer Hugleice, Jodimar também acabou tendo seu envolvimento confirmado depois da quebra do sigilo telefônico, a partir da versão apresentada por Hugleice e do depoimento de testemunhas. A acusação contra os dois é de prática de aborto e ocultação de cadáver.

As buscas por Marielly, pela polícia e pela família, seguiram até dia 11 de junho, quando o corpo foi encontrado. Hugleice e Jodimar tiveram a prisão decretada no dia 13 de julho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

RIO BRILHANTE
Mais de 800 mil reais em iPhones foram apreendidos pelo DOF durante a Operação Hórus
NOTÍCIAS
Portaria altera regras de identificação pessoal pelo Detran-MS
RIBAS DO RIO PARDO
Polícia Civil prende suspeito de receptar sela furtada em fazenda
CRIME AMBIENTAL
Polícia Militar Ambiental e Marinha de Corumbá interditam construções às margens do rio Paraguai e autuam infratores em R$ 2 mil