Menu
Busca segunda, 26 de outubro de 2020

Mãe é suspeita de bater em filho por fazer cocô em fralda, diz polícia de MS

13 abril 2016 - 09h00Por G1

A Polícia Civil de Ivinhema prendeu uma mulher de 24 anos, suspeita de torturar o filho de dois anos. Ao G1 o delegado Ricardo Cavagna, responsável pelas investigações, disse nesta terça-feira (12), que houve denúncias contra a suspeita e que o inquérito possui "provas concretas" do crime.

"A denúncia afirmava que a mãe vinha constantemente praticando ato de maus tratos contra o menino, coagindo no momento em que o menino fazia as necessidades na fralda. Por respeitar o ECA [Estatuto da Criança e o Adolescente], não podemos dar mais detalhes", comentou o delegado.


De acordo com Cavagna, a suspeita agredida o menino com cinto, em diversas partes do corpo. "Quando o boletim de ocorrência foi feito, fazia dez dias da agressão. Mas nós realizamos diligências, ouvimos testemunhas e averiguamos a situação até pedir a prisão preventiva da mulher", explicou.

Assim que soube do fato, o delegado afirmou que a jovem fugiu do município. "No último domingo, dia 10, nós obtivemos informação do paradeiro da mulher e a prendemos em uma zona rural de um município próximo. Ela negou os crimes, disse que ocorreu somente uma vez, mas não com violência", informou.

Ainda conforme o delegado, a conclusão do inquérito deve ser realizada até a próxima segunda-feira (18). Neste período, mais testemunhas serão intimadas. Já a jovem foi indiciada pelo crime de tortura, agravado pela idade do menino. Ela não possuía antecedentes criminais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Com novos testes positivos, casos de Covid-19 continuam crescendo em todo o MS
TRÁFICO
Motorista de guincho suspeita de contratante, aciona polícia e droga é encontrada dentro de carro em MS
SERVIDOR
Sonho que virou realidade, piloto da PM tem orgulho em servir a sociedade
CRIME AMBIENTAL
Polícia Militar Ambiental de Mundo Novo localiza e autua um pescador e autuará outro que divulgaram vídeo e fotos nas redes sociais praticando pesca predatória